BREAKING NEWS

sexta-feira, 17 de julho de 2009

A Famosa Polêmica da Justiça do Trabalho


Essa gera polêmica!
Estava lendo uma matéria no site G1, onde listavam os motivos para a demissão por justa causa, segundo a CLT.
Poderão ler a matéria clicando abaixo:
"Entenda o que pode levar à demissão por justa causa"

O que mais me surpreendeu nessa matéria foram os comentários. Tenho ódio de qualquer tipo de grupo radical, pois creio que pra tudo existe um "meio termo" e o bom senso.
Daí você vê inúmeras pessoas reclamando por seus direitos e por suas condições de vida!
Sou adepto do seguinte pensamento:
"Tudo que acontece em sua vida, de bom ou ruim, independente de qualquer agente externo, é culpa sua."

Portanto não se faça de coitadinho e injustiçado, pois assim irá só se fud... pelo resto da vida.
Se trabalha em um lugar que não oferece boas condições de trabalho, ou te explora, a culpa é sua! Ou você não tem competência para estar em um lugar melhor, ou simplesmente é passivo demais e se sujeita a isso.

Se acha que a Justiça do Trabalho está contra você (Empregado), é porque com certeza seu advogado te iludiu, dizendo que receberia tanto dinheiro que nem precisaria trabalhar mais.
A Justiça do Trabalho sempre fará de tudo para dar suporte ao trabalhador e só em último caso o empregador sai com a sensação de justiça feita.

Ok! Quem sou eu pra falar? Sempre fui empregador.
Sim, mas em minha rede de relacionamentos conheço inúmeros empregados, inclusive minha esposa. Dentre esses empregados separo dois grupos: Os competentes e os incompetentes.

As características do grupo dos competentes:
- Ganham mais que o outro grupo
- Têm mais conhecimento
- Leem mais
- Procuram estar "antenados"
- Pensam no futuro
- Na hora de buscar um emprego, usam como filtro um bom plano de carreira e oportunidade de aprendizado e desempenho.

As características do grupo dos incompetentes:
- Estão sempre reclamando da vida e das oportunidades
- Costumam gastar seus salários "festejando"
- Pensamento de curtíssimo prazo, tipo: Eu quero é aproveitar a vida! Uhhuuuu!!!
- Cometem erros gramaticais gravíssimos
- Sentem que todo mundo é ruim, só eles são bons
- Sentem que todos estão errados, eles estão certos
- Se acham injustiçados pelo Sistema porque são pobres

Pelos comentários na página do G1, deu pra ver que a maioria se enquadra no segundo grupo, outros são advogados que sempre lucram com isso e um resto qualquer faz parte de algum grupo de oposição radical.

Credo! Isso me dá nojo e pena ao mesmo tempo!
Torço muito para que fique tudo mais nivelado, mas infelizmente sei que sempre haverá os determinados e os pobrezinhos.

Por favor, antes de me apedrejarem, leiam com atenção e entendam o que quis dizer:
"Tudo que acontece em sua vida, de bom ou ruim, independente de qualquer agente externo, é culpa sua."

Só isso! Ponto.

7 comentários :

  1. "Tudo que acontece em sua vida, de bom ou ruim, independente de qualquer agente externo, é culpa sua."

    Essa mentalidade que leva agente pra frente aquele papo cheio de desculpas com sorte não te leva para baixo.

    100% Verdade.A culpa é MINHA então EU posso resolver.Se a culpa é do outro eu não posso resolver.Então tudo é culpa minha para eu poder resolver.


    Se me permite isso lembrou um livro que li,Segredo de Luiza.Tem uma coisa no livro que ele chamava de síndrome do empregado.

    "Síndrome do Empregado

    O termo síndrome do empregado nasceu com o personagem "Seu André" do livro O Segredo de Luísa do autor brasileiro Fernando Dolabela. "Seu André" preocupado em explicar a ineficácia de grande parte dos empregados da sua indústria, disse: "eles estão contaminados com a síndrome do empregado".

    A síndrome do empregado designa um empregado:

    * Desajustado e infeliz, com visão limitada;
    * Dificuldade para identificar oportunidades;
    * É dependente, no sentido que necessita de alguém para se tornar produtivo;
    * Sem criatividade;
    * Sem habilidade para transformar conhecimento em riqueza, descuida de outros conhecimentos que não sejam voltados à tecnologia do produto ou a sua especialidade;
    * Dificuldade de auto-aprendizagem, não é auto-suficiente, exige supervisão e espera que alguém lhe forneça o caminho;
    * Domina somente parte do processo, não busca conhecer o negócio como um todo: a cadeia produtiva, a dinâmica dos mercados, a evolução do setor;
    * Não se preocupa com o que não existe ou não é feito: tenta entender, especializar-se a melhorar somente no que já existe;
    * Mais faz do que aprende;
    * Não se preocupa em formar sua rede de relações, estabelece baixo nível de comunicações;
    * Tem medo do erro, não trata como uma aprendizagem;
    * Não se preocupa em transformar as necessidades dos clientes em produtos/serviços;
    * Não sabe ler o ambiente externo: ameaças;
    * Não é pró-ativo (expressão que indica iniciativa, vontade própria e espírito empreendedor).
    "

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Empreendedorismo


    Mas,infelizmente nem todas as pessoas pensam assim como nós.Elas ficam reclamando direitos e pedindo benefícios em vez de tentar subir na vida.Elas pensam que quem deve lhes prover bem estar é o governo e o empregador em vez delas mesmas.

    ResponderExcluir
  2. Detonou mais uma vez no comentário Roma! Eu li esse livro há muuuuuuuuito tempo atrás. Nem tinha me educado financeiramente ainda. Gostei de relembrar a Síndrome do Empregado.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. COMCORDO COM TUDO O QUE DIÇE MENOS A PARTE OMDE RELASSIONA ERROS GRAMATICAIS COM IMCOMPETEMCIA!!
    EU SO MUITO CONPETEMTE POREN AS VEIZ COMETO PEQUENOS ERROS DE PORTUGUEIS.
    UM ABRAÇO.

    ResponderExcluir
  4. KKKKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkkkkk!!!
    "Muinto boa Agronegociadô!"
    A maioria dos mortais comete erros gramaticais, mas essa classe que defini como incompetentes, redige textos impossíveis de serem compreendidos.

    ResponderExcluir
  5. Mandou muito bem no post cão. Concordo totalmente. :)

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Spartan, li o texto pensando que ia encontrar uma coisa e vi outra. (Mesmo assim gostei!) Mas imaginei que você fosse falar da forma paternalista como a Justiça do Trabalho trata essas questões, sempre favorecendo o empregado.

    Como empregador você já deve ter tido algumas experiências desagradáveis nesse sentido não? Quando fez tudo certo mas, mesmo assim, precisou gastar rios de dinheiro para dispensar algum incompetente.

    Tenho um amigo dono de uma rede de lojas que demitiu um funcionário por justa causa. Na audiência no Ministério do Trabalho, o juiz reconheceu que meu amigo havia feito tudo certo e que o caso obedecia às leis. Ao final, porém, perguntou-lhe: "Mas você não vai dar nada para ele...?" Resultado: morreu numa grana indevida.

    *****

    Também me chamou a atenção sua frase "Tenho ódio de qualquer tipo de grupo radical". Isso é uma afirmação radical, pois não?

    Abraço, Rodolfo.

    ResponderExcluir
  7. E aí Rodolfo! Presença ilustre no Blog.
    QUanto a abordar o fato de que a Justiça sempre dá a causa para o empregado, todos já sabem, só não vê quem não quer. Demissão por Justa Causa, onde o empregador não paga nada, é igual cabeça de bacalhau. Hehehehe
    Quanto à minha afirmação um tanto radical... hummmm... tem razão! KKkkkkkkk Mas pelo menos tenho a cabeça aberta o bastante para assumir isso! Kkkkkk

    ResponderExcluir

Escolha bem suas próximas palavras! hehehe
Brincadeirinha!