BREAKING NEWS

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Baseball Financeiro?!? Leia até o final para entender.
Concluí que as oportunidades para ganhar dinheiro parecem quando você aproveita as oportunidades de se aprender sobre o que move o dinheiro.
...Pessoal, quase não mexi no Blog semana passada e fico com a consciência pesada quando isso acontece...

Não consigo tirar um tempo para escrever um post do jeito que gosto, daí vou escrevendo aos poucos e deixando salvo no rascunho.

Já tenho um post quase pronto sobre "Evangelização Corporativa", tem outro post, o "Lucrando mais na web 2.0", escrito pelo meu amigo @richardrx e que está pronto, faltando apenas configurá-lo no Blog. Sem contar outros que estão na metade ou no início.

Como já disse por aqui, quando fico sem tempo, é porque coisas novas estão acontecendo. E tem uma pancada de coisas acontecendo!
Estou na posição para acertar uma daquelas belas tacadas descritas por Charlie Munger e a bola já está chegando. Veremos se dessa vez eu me preparei bem para acertar essa bolinha que tantos ouros querem.

O grande lance dessa nova bola é que se eu conseguir, consequentemente acabo ajudando a todos os empresários que passarem pelo Blog ou por mim! E ajudarei muito pois é na temida parte tributária.

Outro dia conversando com um grande amigo, ouvi o mesmo dizer que o mais difícil nessa caminhada é manter a paciência. Concordo em gênero, número e grau!
É muito difícil manter a paciência!

As oportunidades para ganharmos dinheiro estão nos rodeando o tempo todo, mas enquanto não estivermos prontos para rebater a bola, com uma tacada certeira, não enxergaremos a bola ou não a acertaremos.

Já deixei passar várias bolas por não enxergá-las e muitas outras por errar a tacada. Daí vem a necessidade de se ter paciência, para enfrentar tudo de novo até enxergar outra bola vindo em sua direção.

Não desista empresário! Não desista empreendedor! Aprenda e esforce-se o máximo!
Temos que nos manter inspirados e focados em nosso desempenho no baseball financeiro!

quarta-feira, 26 de maio de 2010


O Blog Dinheirologia juntamente com a Alprado Informática, oferece gratuitamente a você fumante, a fantástica Planilha de Apoio ao Fumante!!!

Incrível saber que a tecnologia está tão avançada a ponto de fazer uma pessoa parar de fumar usando apenas uma planilha eletrônica.
Usando nossa super planilha, você não apenas para de fumar, como também fica rico!!!

Tudo bem, confesso que exagerei um pouquinho...
Mas quando meu amigo Alex Prado me enviou essa planilha por email e encaminhou para várias pessoas, vi que realmente essa ferramenta poderia de alguma forma ajudar os fumantes a não prejudicarem sua saúde, seu bolso e sua inteligência ao mesmo tempo.

De forma bem simples, o fumante calcula o quanto já perdeu e o quanto perderá de grana, ao escolher o vício invés de sua saúde.
Como todo o vício, deve ser extremamente prazeroso e por isso as pessoas doam sua saúde e dinheiro a ele, mas daí pra doar sua aposentadoria, seu carro novo ou sua independência financeira... tsc, tsc, tsc!

Enfim, baixe a planilha e decida o que quer fazer da vida. A cada dia que se passa vejo que ser fumante está mais relacionado a ser bur... aliás, a martelar sua própria inteligência.

[DOWNLOAD DA PLANILHA AQUI!]
Ps.: Ao clicarem para fazer o download, aparecerá uma página de propaganda da AdF.ly, daí basta aguardar 5 segundos, até que o contador no canto superior direito da página chegue no zero, daí você clica e cai na página do Hotfile, onde está o arquivo.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Temos muito material na web sobre as Empresas Familiares e muitos gurus do assunto citam detalhes muito importantes, que ajudam estas empresas a se sobressairem no Mercado. Atualmente podemos citar diversas empresas familiares que realmente deram certo e com suas experiências podemos aprender o bastante para repetir o sucesso em nossos próprios negócios.

Mas nunca ouvi falar da Família Empresarial...
A Família Empresarial nada mais é, que um estágio pelo qual toda empresa familiar passa e que segundo os gurus é errado permanecer ali, aliás, não que seja errado, mas com certeza é uma posição totalmente contrária ao crescimento.

Por quê?
Porque os processos empresariais misturam-se aos familiares, assim como os resultados, erros, individualidades e cargos, enfim, um embolado conflito de interesses.

Dois posts que julgo serem primordiais a qualquer empreendedor em uma empresa familiar são "Meu Próprio Negócio - Como Ganhar" e "Empresas Familiares - Problemas e Soluções", neles o empreendedor verá várias dicas que o colocarão no caminho da profissionalização e total separação entre negócio e família. Vale a pena darem uma lida!

Porém, para toda regra há uma exceção!
Conheço uma Família Empresarial que chegou em um nível que jamais pensei que uma instituicão desse tipo poderia chegar.
E tentando desvendar o motivo dessa exceção existir, procurei por muito tempo do lado errado do negócio, o lado empresarial da coisa. Daí vi que se investigasse por este lado, não acharia o motivo, já que não se tratava de uma empresa familiar...

Então batizei este tipo de empresa como Família Empresarial e investigando pelo lado familiar do negócio, identifiquei os pontos que os levaram a tal patamar no mercado.
Creio que esta família é tão rara quanto uma Tartaruga-das-galápagos-de-pinta, mas existe e eu conheço.
Se existe algum sentimento como egoísmo, inveja, desconfiança, ciúmes ou arrogância de qualquer membro da família, este é automaticamente "deletado" pelo próprio portador. Dessa forma, todos os membros se unem pela mesma coisa, o bem da empresa.

Para isso:
1) abrem mão de qualquer bem material, de qualquer um,
2) abrem mão de caprichos individuais pelo outro,
3) cuidam uns dos outros,
4) apresentam-se a qualquer momento e em qualquer situação,
5) investem forte no trabalho duro e no bootstrapping,
6) são fortes como família, onde um sabe escutar o outro,
7) são unidos e não deixam a porta aberta pra mais ninguém,
8) os rendimentos são investidos no patrimônio e bem estar da empresa e de cada um, de acordo com grau de necessidade estipulado por todos.

Uma Família Empresarial tem que ser uma super-família para sobreviver no Mercado e não há outra forma de sobrevivência e crescimento, sem os pontos descritos acima.

Maaaaaaasssss...
Infelizmente, ou felizmente, há um limite pré-demarcado para negócios desse tipo no mundo globalizado e talvez se a Família Empresarial não se transformar em uma Empresa Familiar logo, todo o trabalho de anos construindo, poderá vir abaixo em pouco tempo.

Esse é o problema, ou melhor, o defeito desse tipo de negócio. A globalização demarca um limite de crescimento e uma data para seu fim!
E a partir do momento que se transformarem em uma Empresa Familiar, suas principais virtudes, já descritas no texto, passam a não valer mais como vantagens.

Na Família Empresarial que conheço já vejo mudanças acontecendo e sei que de uma forma ou de outra, mais cedo ou mais tarde, eles mudarão e pulverizarão estes limites, abrindo assim um novo horizonte de crescimento.

Creio que agora você já deve saber se tem uma Empresa Familiar, se está no estágio de Família Empresarial, ou ainda, se faz parte de mais uma raridade.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

A Copa do Mundo de 2010 já está batendo a porta e você ainda não pensou no que vai fazer em sua empresa?!?
Disponibilizarei então o que farei em minha empresa, daí fomento idéias para que vocês adaptem seus negócios à Copa!
Lembro que minha empresa funciona apenas de segunda a sexta-feira.

Como torço para o Brasil ser campeão, lidaremos com duas hipóteses:
  1. O Brasil se classificando como 1º do Grupo;
  2. O Brasil se classificando como 2º do Grupo.

Portanto se o Brasil se classificar como 1º do Grupo, teremos 5 jogos em dias de semana:
15/06 - Terça-feira às 15:30h
25/06 - Sexta-feira às 11:00h
28/06 - Segunda-feira às 15:30h
02/07 - Sexta-feira às 11:00h
06/07 - Terça-feira às 15:30h


Já se a seleção de Dunga se classificar como 2º do Grupo, fica melhor para os empresários, sobrando apenas 4 jogos em dias de semana:
15/06 - Terça-feira às 15:30h
25/06 - Sexta-feira às 11:00h
29/06 - Terça-feira às 15:30h
07/07 - Quarta-feira às 15:30h


Pois é, minha empresa funciona das 07:30 às 17:30, portanto achei uma solução específica para cada horário:
- Jogos às 11:00h - Adianto o horário de almoço em 1 hora. Como o horário de almoço aqui na empresa é de 1 hora e 12 minutos, perderemos aproximadamente 50 minutos de funcionamento, para deixar que todos assistam os jogos na própria empresa.
- Jogos às 15:30h - Adianto a chegada dos funcionários em 30 minutos e libero todos os funcionários 2 horas mais cedo, ou seja, às 15:30. Quem quiser assistir ao jogo na empresa, basta passar o cartão e assistir.

Para melhorar as coisas pra mim e para os funcionários, disponibilizarei um telão no refeitório e ainda pagarei a Coca Cola!
Espero que alguém se destaque sem que eu diga e crie bolões, enfeites, bandeiras e etc. Vamos ver o que acontece...

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Como escrevi no post "Desabafo De Um Jovem Empreendedor", recebi um email de um jovem empreendedor, no qual ele me descreveu uma situação típica para a maioria dos empreendedores que começam do zero.
Aguardei alguns comentários e hoje disponibilizo aqui a minha resposta (A qual enviei pra ele no mesmo dia) e mais alguns detalhes que pensei depois...

"Fala Bob!

Bem legal seu relato, pois se assemelha demais ao que passo por aqui.
Vamos por etapas:

Quanto ao lance de sua empresa, o motivo pelo qual o WallMart consegue e nós não conseguimos, é pura e simplesmente por terem um sistema eficaz. Essa é a solução para lidar com a relação interpessoal entre funcionários e lembre-se que inclusive você e sua mãe, também são funcionários.
Procure estudar sobre TQM (ou GQT), para saber mais sobre como montar os processos eficazes e chegar a criar um bom sistema. Estou implantando uma área de TQM na empresa justamente pra isso.

Mas aí vem um problema que tenho na empresa de biscoitos, que são as relações interpessoais entre os sócios. Esse sim é um baita problemão! Sócios, quando são muitos e numa empresa familiar ainda, são a maior ameaça à empresa.
Creio que você não tenha esse problema já que está apenas com sua mãe. Portanto concentre-se em montar um bom sistema, para não precisar de bons funcionários (no operacional) e sim de robôs.

Não trabalhe demais na parte operacional do negócio. Faça-o girar!
Tem que imaginar como seria seu negócio, se fosse perfeito. Imagine como seriam os processos funcionando como engrenagens perfeitas e não as pessoas cantando e sorrindo enquanto trabalham.
Identifique quais as áreas administrativas o negócio precisa desenvolver com maior urgência e divida-as entre você e sua mãe, de acordo com as qualidades de cada um. Se não tiverem os requisitos de alguma área, estude nas 12 horas que lhe restam, ou contrate um especialista, mesmo que seja um aprendiz.

Sempre que houver um incêndio, identifique sua causa, depois de apagá-lo(claro!) e monte um processo eficaz baseado no erro.
Sinta-se orgulhoso por querer e tentar ajudar sua mãe, mas a culpa por ela trabalhar tanto até hoje não é sua, é dela!

Uma dica: CUSTOS TEM QUE SER DETALHADAMENTE CORRETOS!
Se não sabe, compre um livro básico sobre administração financeira e comece a estudar. Poderia oferecer-lhe uma saída, mas sem saber seus custos, não dá.

Dica 2: ENDIVIDAMENTO É ESCRAVIDÃO!
E como todo escravo, sua expectativa de vida diminui. Muitos falarão sobre dívidas boas e ruins, mas se você ainda não tem sequer seus custos, com certeza não poderá identificar se a dívida é boa ou ruim. Mas sendo boa ou ruim, sou categórico ao afirmar que enquanto tem a dívida, você não é o banco!

Já a parte de continuar com sua mãe ou seguir outro rumo, é algo bem pessoal, que vai de encontro aos seus objetivos e suas razões. Portanto é bem difícil pra mim, opinar sobre o assunto.

Analise bem o negócio, de forma fria, sem pensar em sua mãe. Veja quais as chances que esse negócio poderá lhe trazer. Depois faça o mesmo com o outro caminho e decida-se!
Se tiver que abandonar sua mãe com a decisão, terá que ser o vilão por um tempo. Eu já fui o vilão várias vezes e consigo suportar as pedradas de forma mais tranquila hoje em dia, mas lembre-se que temos um prazo para deixarmos de ser o vilão. Você só será o vilão, até ser transformado em herói.

Usando o seu caso, se você deixasse sua mãe, seria o vilão, mas estaria consciente de que faria isso por algo maior, pra você e pra ela. Dessa forma, você deveria retornar com esse "algo maior" pra ela, antes dela não precisar mais disso.
Deu pra entender?! Hehehe

Abraço!
"

Ainda tivemos o comentário do TopsMan, Vallerium, que resultou no post "Gestão Necessária x Gestão do Empresário", o qual vale conferir.

terça-feira, 18 de maio de 2010


Vejo esse episódio envolvendo de um lado os Estados Unidos... aliás, os Donos do Mundo e do outro lado o Irã, ex-Pérsia, como mais uma tentativa estadosunidense de controlar outro país detentor de riquezas ou de posicionamento estratégico.

Desde 1970, quando assinaram o "Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares", 188 países afirmaram não desenvolver mais armas atômicas. Sendo assim, apenas quem já tinha essas armas poderiam tê-las em seu estoque e s privilegiados foram Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China.
Quem não entrou no clube, começou a sofrer as famosas sanções desde então.

O mais legal nessa história é que essas mesmas sanções, forçam os países a enriquecerem urânio como alternativa energética e esse enriquecimento chama a atenção de nosso tio mais FDP, o Tio Sam.
Daí o tiozão vem dizendo que estamos fazendo coisa errada, que precisa invadir nosso país para fiscalizar se estamos realmente agindo corretamente.
Agora diz pra mim que você não ficaria putho com esse tiozão...

Sinceramente não tenho como saber se Irã e Coréia do Norte enriquecem urânio para desenvolverem armamento atômico ou não, mas a história nos mostra diversas investidas do Tio Sam em países "mais fracos" sob alegações jamais comprovadas. E talvez por pura coincidência, todos esses países possuíam riquezas naturais, ou no mínimo uma bela posição estratégica (logística).

Mas será que Irã e Coréia do Norte representam realmente o lado mal do mundo?

Claro que não! Simplesmente porque o país com maior armamento nuclear no mundo (5.113 cabeças nucleares) é o único que já usou essas armas contra outro país, matando mais de 230 mil pessoas!

Odeio essa imposição dos Estados Unidos para que outros países mudem sua política, seu sistema monetário e sua cultura. Embora creio que isso seria melhor para a economia mundial, defendo a cultura de um povo que simplesmente opta por outro caminho.

E sou categórico ao afirmar que mais cedo ou mais tarde explode uma guerra! Mais uma vez encabeçadas pelos "heróis" do Tio Sam.

Sabem por quê?
Porque os Estados Unidos estão em um beco sem saída. Não têm mais pra onde correr.
O famoso analista Marc Faber e o economista Nouriel Roubini, já deram uma de Mãe Dinah e previram a explosão da bomba sobre a qual os Estados Unidos estão sentados. Eles já devem mais ao FED do que conseguem captar e vêm perdendo mais força econômica a cada dia...

Mas tudo bem! Eles são ótimos em lobby e em guerras, portanto no fim das contas eles massacrarão um país para tirarem um ditador do comando e depois instalaram bases "aliadas" para reconstruir tudo. Simples assim!

Desculpem-me o desabafo! Só queria comentar a notícia...

segunda-feira, 17 de maio de 2010

O que motiva você a se levantar da cama todos os dias?
Qual seu objetivo? Pra quê você trabalha tanto? Por quê você reclama de sua vida ou de seu trabalho? Por quê você estuda tanto? Pra quê se especializa tanto em alguma área?
E já que você está no Blog Dinheirologia, pra que você quer ter dinheiro?

Muitas vezes pessoas que desejam enriquecer confundem razão e objetivo, ou até não têm uma razão. E tendo em vista apenas o objetivo, elas caem durante a caminhada.

O objetivo da grande maioria que cai por aqui, é muito simples de ser definido. Veja que objetivo é relativo ao objeto e o objeto em questão aqui no Blog é DINHEIRO!
Para definirmos o objetivo então, resta saber qual quantidade de dinheiro queremos.
Se você quer apenas comprar sua casa, pagar um bom plano de previdência (Argh!) e a faculdade de seus filhos, seu objetivo deve ficar dentro de alguns milhares de reais. Portanto traçar o objetivo é tarefa fácil! Basta uma lista, alguns cálculos e pronto! Está definido seu objetivo.

Muitos fazem apenas isso e partem para o trabalho!
Depois de um empolgante começo, vem o desânimo, a vitimização e a queda!
Ninguém consegue dar o seu máximo, por um bom tempo, apenas por dinheiro!

Lembro aqui algo que li em um dos livros da Série Pai Rico, onde Robert citava que devemos ter um objetivo muito forte. Talvez tenha sido um erro de tradução, ou talvez seja uma diferença de visões mesmo. Mas o que importa é que você deve ter algo muito forte para motivá-lo a cada dia, a cada passo, a cada degrau e a cada derrota.
E esse "algo" não pode ser relativo ao objeto, ou seja, o objetivo. Esse "algo", é mais sobre o que você fará com o objetivo.

Esse "algo" é a "RAZÃO"!
Cito razão aqui como prova para uma crença, opinião ou juízo. Ou ainda, simplesmente como causa. A razão defendida aqui é a resposta para todos os "Por quês" e os "Pra quês" que receberá de você mesmo ou dos outros durante sua caminhada.
É essa razão que te fará levantar da cama e sair correndo para produzir mais!

É por isso que a razão deve ser algo mais valioso que um desejo consumista, dever ser alguma coisa parecida com um discurso de Miss, mas que realmente te emocione e que te faça ir à luta com seu coração.
Descobrir a cura para o câncer, conquistar a paz mundial, salvar a natureza, conquistar um futuro ideal para seu filho especial, ... sei lá qual será sua razão! Mas digo que enquanto não tiver ela bem definida em sua mente e em seu coração, não terá força o bastante para suportar sequer o treinamento para a guerra.
Entenda guerra aqui, como toda a jornada para levar alguém da pobreza à riqueza financeira.

Portanto não é lá tarefa fácil descobrir sua razão, mas mais difícil será seguir pra guerra sem ela! Se seu objetivo é grandioso, sua razão deverá ser diversas vezes maior!

Ah! E não vale fazer como o exército dos Estados Unidos que fica super motivado a travar guerras, por uma razão inventada por seus próprios governantes. Razão inventada não funciona em nossa guerra!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Após escrever o post "Desabafo De Um Jovem Empreendedor", fui regozijado com um comentário que de tão completo, transformei eu um post.
Ne sequer pedi autorização ao autor, mas como é meu "brother", creio que não precise.

Valeu Tops... aliás, Vallerium!
Segue o texto:

"Olá...

Esse lance da Teoria X Realidade é realmente um problema.

Mas penso que muita gente se prende realmente a essa questão e se sente estagnado porque entende a teórica como um pacote fechado de "ideias" ou métodos. No outro post já falam (e muito bem)... a questão é adaptar-se ... mas João também replica bem... adaptar na pequena empresa custa muito.

Bom... eu sou formado em Contábeis e a base da contabilidade no Brasil era (até pouco tempo) uma lei que tratava de S/A's... empresas com um regime jurídico e tributário beeem diferente de 90% do mercado brasileiro... então adaptar foi um conceito que aprendi logo cedo pois sem isso não seria possível ser um Contador de pequenas e médias empresas. Agora estão convergindo as normas para uma contabilidade internacional padrão, ou seja, de novo, longe do mercado, mais longe que a primeira.

Argumentam pela padronização, pela atualização (a lei antiga é de 76), a inovação, o alinhamento com a globalização que já é uma realidade... mimimimi... rs.. enfim, argumentos válidos, mas ainda sim distantes de nossa realidade.

Enfim... penso que teorias serão sempre teorias, umas mais "usáveis" que as outras, mas a função básica delas é justamente fomentar novas idéias e não resolver o SEU problema, não a prática em si, genérica, valendo pra todos. Se você não consegue ver como aplicar essa "X" teoria na sua empresa, é mais ou menos como tentar insistir em implantar um custeio ABC na padaria do amigo que escreveu o email. O problema não está na teoria em si, teorias são uma sequência lógica, existe um encadeamento das idéias, é quase uma situação ideal que converge para aquela solução. Se você não tem o mesmo escopo de situações a teoria não irá lhe servir. É preciso adaptar, usa-se o que te serve e o que não serviu você pega de outra teoria ou improvisa.

Como contador de pequenas e médias empresas que fui, acho que a maioria dos empresários peca por não fazer o básico porque acham desnecessário ou são incompetentes demais e os que têm um pensamento diferenciado pecam também por não querer o básico, pois acham que o avançado é que resolve.

O amigo lá mesmo comenta trabalhar mais de 10hs e ter a impressão de estar apagando incêndios... e está realmente, se ainda nem organizou o contas a pagar, se nem sabe o resultado da empresa. A gestão vai mal, e o problema não é a teoria que o professor preconizou como verdade na sala de aula que ele abandonou.

Eu sei que não dá pra sair da linha de produção e ir pro financeiro porque "a engrenagem precisa rodar", mas até quando rodarão com a engrenagem torta e apagando incêndios?
Isso me lembra bem aquele conceito de "corrida dos ratos" do pai rico/pai pobre, embora a TEORIA desse conceito não seja bem essa.. rsrs.

Foquem no básico e terão ótimos resultados, deixem o six sigma, a liderança colaborativa, a metacompetencia, o custeio ABC, para quando forem multinacionais ou tiverem ativos intelectuais.. rsr

Foquem na gestão estratégica de custos, na gestão de processos, na economia de escala, de escopo... o controle financeiro.

Hoje discute-se muito inovação, o conceito da "inovação inédita", uma EPP com gestão em metacompetências... putz... isso é realmente uma inovação, mas uma EPP com um gerente buscando a excelência em processos, a gestão total de custo, isso no Brasil onde +50% das empresas abertas fecham em menos de 5 ou 6 anos (já me esqueci dos valores corretos dessa estatística), também é inovação, mesmo que não seja a tão sonhada "inovação inédita" que todo mundo quer criar.

Existe uma distancia entre a teoria e a realidade, mas existe uma distância muito maior entre o que o empresário entende como gestão necessária e a real necessidade dele.

Só um ponto de vista.

Abs!
Vallérium
"

Muito bom! Já havia enviado me resposta para o rapaz, no dia em que escrevi o post e aborda outros pontos, ainda não abordados pelo Tops. Segunda-feira emplaco ela aqui!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Após escrever meu post "Administração Teórica Nas Pequenas Empresas", que pensei ter ficado meio louco, desconexo e jogado, recebi comentários e relatos por aqui, por MSN, Twitter e email. Daí vi que essa é realmente uma realidade para muitos empresários.

Eis que decidi postar um relato que recebi por email, pois expressa de forma real e transparente, alguns obstáculos pelos quais um pequeno empreendedor deve passar. E o pior é que sou obrigado a afirmar que isso é só o começo. Um empreendedor tem que estar tão preparado como um campeão mundial de MMA (hehehe! comparação tosca), ou mais...
Segue o email:

Caro João, antes de mais nada gostaria de me apresentar. Meu nome é Bob, tenho 20 anos, moro em Mato Grosso do Sul, e trabalho de sócio-gerente em uma empresa familiar composta por mim, minha mãe e mais 14 funcionários no ramo da panificação.

Agora retorno com outro assunto em pauta, pois me identifiquei totalmente com seu post, sempre após fazer um curso no sebrae, ou ler algo interessante em algum livro, eu vinha para a empresa cheio de ídeias para melhorar as operações e adicionar controle, mas eu acabo sempre esbarrando nos problemas interpessoais causados por uma mão de obra limitada, porem penso que a rede wallmart, que com colaboradores cujo cérebro parece ter adormecido e ter deixado apenas as funções mais cruciais para resolução da tarefa a qual lhe cabe. Consegue tocar o supermercado, tudo bem que tem a questão do dinheiro, mas me parece incrível que, eles conseguem!!

Na minha empresa, eu e minha mãe trabalharmos 10 horas por dia (as vezes mais). E mesmo assim, parece que estamos sempre apagando incêndios, quando eu sai do meu antigo emprego, na capital, para voltar ao interior, e trabalhar com ela, eu sonhava em realizar a questão da empresa funcionar mais sozinha e aliviar a barra da minha mãe, que já trabalhou demais. Agora me vejo em um dilema.

Mas para ajudar você a me ajudar, preciso lhe informar alguns dados:
Graças a um recente empréstimo contraido, primeiramente para informatizar equipamentos e caixa, e outro para quitar cheque-especial, no qual minha mãe passou 10 anos pagando, e adicionar algum capital de giro, temos uma situação que o empréstimo foi feito em 48x e pagamos 2 parcelas.

Então, com a margem de lucro que a padaria supostamente da (o administrativo peca bastante e estamos apenas começando a lançar despesas X vendas). Minha mãe vai viver com a empresa saudável financeiramente por 4 anos.

Eu tenho a oportunidade de voltar para a capital, e fazer cursinho para o vestibular da federal, porem para fazer isto, seria preciso parar de trabalhar, no máximo dar uma ajuda aos finais de semana. Porem me sinto mal de deixar minha mãe sozinha aqui, sei que muito serviço deixará de ser feito, já que não damos conta nós 2. Ainda por cima a empresa está comprometida pelos próximos 4 anos.

Tenho muito medo de ficar, e depois com 35 anos de idade falar: - Se eu tivesse feito faculdade quando tinha 20, hoje eu estaria melhor, não estaria trabalhando tanto, e teria tempo para fazer sei lá o que.

Hoje eu não posso sair um final de semana, amanhã não posso fazer uma viagem, depois tirar férias, outra vez conhecer o EUA, quem sabe não terei de dar a mesma criação a meu filho, a que tive, com minha mãe trabalhando 16horas por dia e pai eu não "tenho".

Pretendo cursar Eng. Civil ou Economia que eu gosto bastante. Adm, já cursei 1 semestre aqui na faculdade da cidade e realmente não gostei, nem tanto do curso em si, mas como você mesmo fala, eles preferiram ganhar a vida falando, e muito das coisas que eu escutava sendo pregadas como verdade, pareciam bem diferente no meu dia-a-dia.
...
Att


Ps.: Nomes e lugares foram alterados.
Alguém me ajuda a responder?! Num próximo post, minha resposta! Aguardem...

terça-feira, 11 de maio de 2010


Escreverei esse post no estilo de ideias soltas, podendo nem sequer concluí-lo, criando uma tentativa de ambiente colaborativo aqui mesmo.
Se existe uma coisa que aprendi na marra, é que teoria e prática são abordagens bem diferentes. Você estuda uma forma de se fazer as coisas, mas na prática alguns elementos variam mais rápido que uma nova edição ou uma nova teoria. E muitos desses elementos derivam de “incompetência interpessoal”, algo que jamais encontrará nas páginas de um livro, pois é única e cada um tem a sua.

Muito fácil estudar, ler bons livros, conseguir um diploma e após isso, ensinar a futuros empreendedores o que fazer.
Não me atirem pedras! Não sou contra os professores e palestrantes, até os invejo, pois preferiria ganhar a vida “falando” invés de “fazendo”.

Tudo bem! Sei que existem inúmeros professores e palestrantes que já ocuparam cargos de chefia em grandes empresas e isso é louvável, pois quanto maior a empresa, maiores são os recursos pelos quais um gestor é responsável.
Quero ver palestra ou aula é de alguém que começou algo do zero, sem quase nenhum capital e obteve sucesso. Isso não quer dizer que não quero assistir palestras e aulas sobre teorias eficazes.

O problema é que em grandes negócios, com grandes recursos, toda a teoria da administração cai como luvas, bastando, portanto que se tenha alguém capaz de usar a administração a favor da empresa. Já em pequenos negócios, os recursos são escassos, o nível de funcionários é totalmente proporcional aos salários, ou seja, bem baixos e o capital intelectual é quase que totalmente centralizado.
Como aplicar os fundamentos e ferramentas da administração, bem como termos modernos como “Liderança Colaborativa”, "Triple Bottom Line”, "Metacompetência", "Achatamento" e etc. em pequenos negócios?

Não dá!
Exceto que sua empresa seja em algum segmento de criação, como as agências de marketing, onde até os faxineiros estão sempre criando e com a cabeça aberta. Nos demais segmentos, onde o operacional tende a ser cada vez mais robotizado, não rola!

Por mais que professores, palestrantes e o SEBRAE possam me crucificar por isso, eu repito:
Não dá pra usar todos os fundamentos da administração em pequenas empresas!

Daí vocês pensam que criei esse post apenas para reclamar...
Não!

O chave é perguntar! Sempre! Perguntar e inverter!
Por quê uma empresa de criação consegue implementar diversas ferramentas administrativas e todos os demais termos e conceitos de gestão modernos?
Eles tentam manter sempre um ambiente criativo e colaborativo. Trabalha-se lá quem gosta de criar, criando!
Dessa forma, todos estão abertos a colaborar com qualquer novidade.

Então vem outra pergunta: Como fazer um cara que carrega caixas o dia inteiro gostar do que faz?
E claro que precisamos da colaboração dos outros sócios também, inclusive para aprovar mudanças e às vezes isso pode ser mais difícil do que mudar a cabeça do tal funcionário que carrega caixas.

Acaba que tudo fica mais burocrático na pequena empresa que na grande e o trunfo da pequena, ou seja, a agilidade nos processos se perde em meio às relações interpessoais.

Deu pra acompanhar o raciocínio?
Em resumo, quis dizer que enquanto não puder escolher sócios de cabeça aberta, ou pagar salários decentes pra gente competente, é impossível colocar toda a teoria em prática.

Mas não queria que esse assunto parasse por aqui. Será que consigo colaboradores aqui? Não tenha vergonha, escreva!
...

segunda-feira, 10 de maio de 2010


Costumo usar um Ranking para medir o desenvolvimento do Blog, o WebsiteGrader.com. Tenho inclusive um selo deles no Blog. Daí vi na semana passada que havia perdido 2 pontinhos na qualificação deles e por isso pedi uma nova análise, que não deu em nada, mas que em compensação me levou até o TwitterGrader.com!

Pra ficar mais legal ainda, constatei que o Twitter Grader cria uma lista VIP (Elite) por cidade e que na minha cidade eu estava na lista... e em 12º lugar!!!

Sei que parece bobeirinha de adolescente, mas pra quem não ganha nada escrevendo na web e curte fazer isso, cada bobeirinha dessas causa uma alegria danada!
Amo quando recebo comentários no Blog, embora a maioria cisma de me perguntar as coisas por MSN. Adoro receber perguntas no Twitter...
Enfim, é bom ver que o trabalho que faço aqui, gera resultados ou questionamentos em outros computadores.

Segue minha pesquisa...
Twitter.grader.com/JoaoHomem

...e a lista Elite da minha cidade:
Twitter Elite Belo Horizonte

Valeu leitores, por fazerem um Blog sem nenhuma expectativa de vida, ter a cada dia mais seguidores, seja aqui, no Dihitt ou no Twitter.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Que mania ridícula que o ser humano tem de ser vítima de toda situação. Essa é uma característica básica nossa, mas que deve ser reformulada internamente no decorrer da vida.
Um dos ensinamentos que mais marcou em meus estudos iniciais sobre educação financeira, foi de Robert Kiyosaki, quando afirmou em um de seus livros que tudo que acontece em nossa vida, seja bom ou ruim, é de nossa culpa.

Independente de a crise lá na Grécia ter arrebentado suas finanças, a culpa é sua! Seu cachorrinho morreu atropelado por um caminhoneiro, mas a culpa é sua! Meu sócio me fud€u, mas a culpa é minha!
E embora muitos pensem que isso é digno de alguém com "Complexo de Pollyanna", saibam que é apenas uma opção de ver a vida, diferente de 90% da população. Isso é ser proativo, se responsailizar por seus sucessos e fracassos. Coincidentemente apenas 10% da população realmente conquistam o sucesso.

Aí você me pergunta se a Paris Hilton é proativa?
Claro que não! Mas apesar dela ter sucesso, ela não conquistou o sucesso.

Vejo familiares, amigos, sócios e demais pessoas se vitimizarem o tempo todo! E não tenho nada contra reclamar da vida e desabafar um pouco, pois ando fazendo muito isso ultimamente. Mas embora esteja seguindo o caminho contrário de "O Segredo", mesmo durante meus desabafos faço questão de salientar:
- Estou assim, mas a culpa é minha!

Quem é a vítima de todas as ocasiões não cresce, pois sempre que errar, a culpa será de outro e portanto não aprenderá com seu erro.

Comece a trabalhar isso em você! Sugiro até um autoajuda, mas muito bom:
Blink - Malcolm Gladwell

Um ótimo final de semana a todos!

quinta-feira, 6 de maio de 2010


Se você tem um pequeno negócio, ou está pensando em montar um, terá que optar entre dois caminhos:
- Disputar preço com os concorrentes;
- Ter proposições de valor fortes o bastante para diferenciá-lo de seus concorrentes.


A maior merd@ que existe no mercado é a disputa de preços!
Suas margens estarão sempre comprometidas, haverão brigas com os fornecedores, com os concorrentes e com os clientes.
Ah tá! Sua marca tem um diferencial... Então me responda com sinceridade e frieza:
- POR QUE EU DEVERIA COMPRAR SUA MARCA E NÃO A DO CONCORRENTE?

Essa pergunta é muito mais complexa do que parece e ela só tem essa falsa aparência de simples, para quem não tem a real noção de sua marca, ou do mercado.
Em muitos casos, as pequenas empresas possuem uma marca com diferencial, mas este não é percebido em sua totalidade por seus clientes-alvo e daí não oferecem um melhor custoxbenefício que o do concorrente.

Já disse aqui no Blog que "O Cara" do negócio deve entender de tudo um pouco, ter uma boa equipe e enxergar sempre adiante para tomar as melhores decisões.
No caso do Marketing, você deve ter alguém fera a seu lado, pra cuidar apenas disso, um especialista.

Eu ainda não tenho essa pessoa e já cansei de disputar preços, embora minha marca tenha diferencial. Tenho que criar uma eficiente estratégia de Branding e aproveitar meu Market Share e o valor que minha marca já adquiriu sozinha.

Como eu sei qual o valor da minha marca?
Essa é simples! Minha marca vale o que meus clientes pagam a mais por ela, em vista do que pagariam a um concorrente.
Em meu segmento, no meu Mercado, eu tenho o preço mais alto e decido quando haverá reajustes. A "concorrentaiada" vem tudo atrás! E vêm fervendo! E é nessa hora que ocorre a guerra de preços, sempre após um reajuste. Sofremos algumas baixas, que depois de um tempo até voltam, mas essas baixas não deveriam acontecer.

Mesmo já tendo algum valor de marca, vejo que ela ainda não é percebida em sua totalidade pelo cliente e tem muito espaço para ser trabalhada ainda.
Por isso estou buscando ajuda!
Essa ajuda me ajudará primeiramente em definir minha estratégia de Branding e na comunicação do valor para o cliente. Esse é o foco! Mesmo porque não tenho bund@ o bastante pra bancar uma ajuda no Marketing geral para a empresa.

Muitos pequenos empresários não curtem investir em capital intangível, achando ser coisa apenas para grandes empresa, mas deveriam tentar fazer algo mais focado, como estou fazendo. Na verdade essa conta não será um custo e sim um investimento.

Adoro o que eu faço! É trabalhoso, é quase impossível, tira o sono, exige um esforço hercúleo, deixa meio doidão, é tenso, mas a vitória é gloriosa.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Aconteceu na última segunda-feira o 2º Encontro do Clube de Investidores e Empreendedores de BH, o CIEBH.
Embora tenhamos recebido novos contatos para integração de novos membros, nenhum destes compareceram neste encontro, que mais uma vez fluiu como um bom bate-papo.

Como temos 2 membros que sacam muito de TI e cia, às vezes os mesmos deixaram os outros a ver navios, em suas viagens nas ondas da tecnologia, sistemas e etc.

Achei este encontro um pouco menos produtivo que o último, mas nem por isso foi ruim! Mais uma vez expomos nossas experiências e problemas para uma análise do grupo.
Rolou a idéia mirabolante do Wellington, os problemas entre os sócios de uma das empresas, a nova contratação do Alex e minha solução para se pagar no mínimo 10% a menos de impostos.
Faltou ainda dar uma força na parte de custos da empresa de comunicação, mas é porque como sempre, o tempo foi curto!

Sem contar que nosso famoso "4º Elemento" pagou uma rodada de pizza e Coca Cola pra geral!

Como já foi dito por aqui, encontros como esse são infinitamente melhores que a maioria das palestras que rolam por aí e com certeza ajuda os membros de uma forma que jamais conseguiriam em curso algum.
Em breve queremos formatar os encontros de uma melhor forma para conseguir abordar tudo, pois são muitas idéias e problemas para apenas 3 horas.

Que venha o próximo encontro no dia 07 de Junho de 2010. Como sempre, toda primeira segunda-feira do mês. Fique atento a seu email, pois a qualquer hora estarei te convidando!
A poeta goiana Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, que usava o pseudônimo Cora Coralina, escreveu uma frase que tem tudo haver com o Blog e que foi citada por João Doria Jr. ontem, em seu programa na Record, O Aprendiz.

Assisti ao programa ontem, depois de receber boas referências do mesmo. Mas infelizmente perdi meu tempo!
Comecei a assistir à primeira temporada de O Aprendiz nacional, mas não consegui continuar. Acho o programa uma verdadeira palhaçada, puramente comercial e cheio de soberba da parte dos apresentadores.
Tanto Roberto Justus como João Doria Jr. devem ter feito por onde estarem onde estão, mas qualquer um dos demitidos também podem chegar lá, mais cedo ou mais tarde e portanto, todos merecem ser tratados como iguais e esses ditos "fodões" não devem ser "tirados" desse jeito.

Mas enfim, vamos à frase citada por João Doria Jr. no programa de ontem:

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. - Cora Coralina