BREAKING NEWS

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Sim, essa parte da minha vida se chama Empreendendo. Não se chama estudando, administrando ou vagabundando.
Ouquei, aos olhares menos atentos parece ser mesmo vagabundando ou simplesmente virando bicho-grilo.
Tô afim mesmo de retomar as rédeas e voltar ao ciclo de vitórias.

Parece discurso de jogador de futebol encrenqueiro né?! Mas talvez eu seja um pouco disso, com exceção da parte do jogador de futebol...

Eh... eu não jogo bola...
Estou sempre em busca de novas experiências, novos aprendizados, tudo com o objetivo de melhorar minha PERCEPÇÃO, ou seja, a minha interpretação de tudo o que acontece. Sabendo que nossa percepção é influenciada por nossos conhecimentos, experiências, expectativas e interesses próprios, posso dizer que busco ter a capacidade de enxergar coisas que outros não conseguem enxergar.

Após abandonar minha velha vida, passar um tempo fazendo bicos pra sobreviver e trabalhar de carteira assinada, chega a hora de empreender. 
Mais uma vez é hora de Back to Basics, pra recomeçar a escalada. 

Peguei o velho bloco de notas pra anotar as idéias que vêm nas horas erradas e os gastos do dia-a-dia, baixei um mobile financial software, fiz um curso intensivo de Excel no Youtube, quebrei meu pequenino porquinho e catei as moedas pra sobreviver enquanto tento empreender.

Ele era tão lindo!
Mas saibam de uma coisa! Você pretendente à denominação temporária de Super-Mega-Blaster-Empreendedor-Sem-Um-Puto-No-Bolso, não pode ficar parado lendo frases bonitas no Facebook, livros de autoajuda e indo à Igreja fervorosamente. O que você quer, você tem que correr atrás, pegar e então mostrar sua arte. 
Se fosse fácil, qualquer um faria... 

Um passo a passo do que vem por aí:
 - Corte radical de custos
 - Elaboração de um planejamento orçamentário com as moedas do porquinho
 - Elaboração de um plano de ação
 - Utilização da minha boa e velha agenda
 - Transformar idéias em projetos
 - Ler pelo menos 30 páginas de bons livros por dia
 - Trabalhar meu network
 - EMPREENDER no sentido mais primitivo da palavra. 

Quer saber como empreender do jeito mais primitivo? 
 Fica para um próximo post...

sábado, 23 de junho de 2012

Tá bom! O Dinheirologia é um Blog capitalista, mas gosto de postar também os motivos pelos quais queremos ter capital! "A Story For Tomorrow", é um belo exemplo de um motivo para que acumulemos capital. 
 Já sonhei muito em escrever um capítulo de minha história assim, mas acho que hoje em dia a aventura seria mais individual...

 

Texto traduzido do vídeo:

Há muito, muito tempo atrás... 
havia duas pessoas que se pareciam muito com vocês mesmos e como vocês, eles estavam em uma jornada. Uma missão, se preferir. 
 Para encontrar o que todos nós parecemos estar procurando. 
"Uma História Para O Amanhã" 

Por razões que eles talvez jamais saibam, entraram na terra do grande Atacama e seguiram para o sul. Ventos quentes do deserto se erguiam das areias. E os guiaram através do Vale da Lua. 
Um lugar onde o tempo e a direção não existem. Ainda assim, eles seguiram em frente. 

Logo, o horizonte se nivelou e eles cruzaram o Espelho de Areia: 
O primeiro sinal de vida, mas certamente, não o último. 
De repente, cores verdes e azuis cobriram as colinas. 
E eles encontraram um novo guia... a água. 
Pequenos riachos se transformam em rios furiosos. E eles foram levados para o oeste, além das montanhas fumegantes e cascatas flutuantes. 

Até que eles chegaram no oceano. Onde a luz do sol nasce do solo e dança na palma de suas mãos. 
Eles vagaram para o sul. 
A cada dia uma nova porta, uma nova direção, uma nova maneira de existir. 
Enquanto os dias se transformavam em semanas, visões de cores em movimento e curiosas criaturas passaram por eles. 
Até que o tempo simplesmente... desapareceu. 

E assim como todos aqueles, que vieram antes de vocês, o caminho deles logo terminou. 
E eles só encontraram a mim... Seu futuro. 
Pacientemente esperando. E eu fiz a eles as mesmas duas perguntas que um dia eu perguntarei a vocês: 
É possível ser feliz com essa vida? 

 Então vou perguntar, assim como pergunto a toda gente: 
VOCÊ GOSTOU DA SUA HISTÓRIA?

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Se ganhar na Megasena, já sabe o que fazer com o dinheiro?

O que fazer quando receber uma herança?

Onde investir tanto dinheiro?

Outro dia fui ajudar um amigo a encontrar um investimento rentável, líquido e seguro, para que ele investisse uma boa grana adquirida por herança. Só então percebi o quanto é difícil investir um montante substancial que chega de repente, como uma herança, um prêmio de Megasena ou de outra loteria qualquer.
Não imaginava que era tão difícil porque nunca havia pensado em receber uma herança ou um prêmio.  Onde Alocar estes recursos? Sempre pensei em construir um patrimônio e aí quando chegasse à casa dos milhões, tudo estaria em seu lugar. Mas enfim, estudei e tentei ajudá-lo, sendo que ele também entende de finanças e mercados.

Bem vindos a um puta quiz financeiro!
Joga tudo na poupança!

Sério!?! Lembra dos 3 pré-requisitos da maioria das pessoas que ganham na Megasena ou herdam alguma soma grande? 
RENTABILIDADE, LIQUIDEZ E SEGURANÇA.
Bem, a poupança não é rentável. Mal consegue superar a inflação. Sim!!! Lembre-se que a cada dia que se passar, sem que invista, seus milhões estarão sendo corroídos pelos ratinhos da inflação.
A vantagem é que a Poupança é bem líquida, que deixará você livre pra ir gastando o quanto quiser do seu prêmio da Megasena, na hora em que quiser! 
Mas e a segurança?
Bem, essa é uma parte que a maioria não sabe...
O Governo não te assegura a Poupança. O Governo garante aquela rentabilidade fixa, mas não o seu montante. A única segurança que o poupador tem é a oferecida pelo Fundo Garantidor de Créditos, que é um fundo criado pelos bancos, para assegurar os poupadores ou investidores, para que não percam os valores investidos ou poupados. 
Legal né?!
O problema é que o FGC garante no máximo 70 mil reais por CPF/CNPJ!!!! Putz!

Imóveis! Sim, vamos comprar imóveis!

Ouquei! Imóveis é um investimento bem seguro. Mas não é líquido, aliás é tão sólido quanto um tijolo! kkkk
E quanto a rentabilidade, é como qualquer outro investimento, se você não conhece o mercado, corre o risco de ganhar pouco ou até perder muito. Independente do que a população brasileira imagine, investimentos em imóveis é um investimento em RENDA VARIÁVEL.

E a tal da Bolsa de Valores?

Cara, sério... Alguém que no máximo chegou a operar 50k vai meter 7 dígitos na Bolsa?!? Não tenho culhões grandes o suficiente pra isso. Mas acho razoável pegar parte disso e operar no Mercado sim.

Investir em empresas, novas ou usadas?

Acho um bom negócio, mas leva tempo entre pesquisas e análises. Pode ser um segundo passo, mas aqui estamos em busca do primeiro.

E os fundos de investimento?
Taxas de administração, falta de liquidez em alguns, imposto de renda batendo até 27,5%, dependendo de quando resgatar e os mais seguros não têm uma rentabilidade atraente.

Tesouro direto?
Eu acho uma boa idéia, mas e a liquidez? E o custoXoportunidade?

Os fundos abertos ao Investidor Qualificado?
No Brasil, o título de Investidor Qualificado é dado honrosamente a qualquer um que invista mais que 300k e assine um documento se declarando um I.Q. ao investir em um desses fundos exclusivos.
Porém, ser um Investidor Qualificado, tem sua vantagens e desvantagens. Aumenta-se a rentabilidade juntamente com os riscos. Dessa forma, será que vale mesmo a pena.
Não são leões, são ratos! Comem um pouquinho a cada dia!
Concluímos então que o certo seria investir em quase tudo! kkkkkk
Mas teríamos que compor a carteira com tudo muito bem rateado, de acordo com as 3 características e portanto a melhor solução foi contratar os serviços de um consultor financeiro, para aprofundarmos mais em nossas pesquisas e análises.
Foi a melhor alternativa!
Se você está na mesma situação, AJA! E aja rápido, pois a inflação estará corroendo seu patrimônio. Se precisar, entre em contato que indico consultores honestos e bons de várias partes do Brasil.

Se ainda quiser entender mais sobre Alocação de Recursos, clique aqui!

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Keep walking...
Já comprei uma bandeja de Danoninho só pra mim, já comi pão com açúcar e toddy, já tive coragem de entregar uma cartinha a uma menina que jamais havia me notado, já fui o primeiro a cruzar a linha de chegada, ...

já tive o físico ideal, já conquistei a garota mais linda da turma, já tive cabelo grande, já convenci uma banca de que era excepcional, já pilotei a 300km/h, já saltei de 60 metros de altura, já ganhei uma briga em desvantagem, já fiz sexo até apagar, já fiquei chapado, ...

já ajudei anonimamente pessoas que precisavam, já presenciei o último suspiro de alguém que amava, já vi milagres acontecerem, já provei meu amor aos que amo, já vivi um amor eterno como de filmes, já fiquei observando meu amor dormir e gravei isso em minha memória, já vi uma mulher ter o mais lindo brilho nos olhos apenas por me ver chegar, já "desviei de balas", já quase morri algumas vezes... 

 Se eu não conseguir viajar o mundo de mochila, escrever um livro e ficar rico, valeu a tentativa!

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Existe muito material na internet questionando se devemos focar ou diversificar em nossos negócios. Eu já fiz as duas coisas, mas agora vim escrever sobre algo que ainda não fiz, que é diversificar em minha vida como empreendedor, ou seja, não focar em apenas um negócio e sim diversificar em vários. 

Reza a lenda que em uma reunião informal, quando indagados sobre qual a principal característica necessária para o sucesso, Bill Gates e Warren Buffett responderam da mesma forma: Foco! 

Como eu, João Homem, um mero mortal, cheio de fracassos, insucessos e sucessos incompletos, venho aqui tentar de outra forma? Não sei, só sei que é assim. 
Sabe aquele feeling? Pois é tipo isso!

Sou mais eu! kkkkk
Se for parar pra pensar, Bill Gates realmente focou em seu negócio, pois viu ser uma oportunidade extraordinária. Já com meu ídolo nos negócios, Warren Buffett, não foi bem assim. Buffett começou com vários pequenos negócios, muitos até informais, diversificando e criando mesmo que em proporções bem menores, seu império, hoje mais conhecido como Berkshire Hathaway. 
Mas ele não mentiu sobre o foco, pois desde os 6 anos esteve focado em apenas uma coisa, acumular e multiplicar patrimônio. 

Os negócios surgem de uma idéia inovadora ou de alguma necessidade de mercado, sendo que também podemos gerar essa necessidade. É preciso ter conhecimento em gestão de negócios, experiência e claro, conhecimentos específicos do negócio em questão. Este terceiro fator é o mais complicado pra quem deseja criar sua "Série Lego - Império Corporativo", pois não dá pra abrir um consultório odontológico tendo os enormes conhecimentos sobre odontologia que tenho, por exemplo. 
Porém, se conseguir um sócio que tenha esses conhecimentos e necessite dos meus conhecimentos, precisarei estudar apenas a parte corporativa da odontologia. Resumidamente, conhecer o negócio a ponto de poder criar uma vantagem competitiva que torne-o um bom negócio.

Um mapinha de como era o Império de Buffett nos ano 70...
 Sempre tentei focar numa coisa só, mas depois de "colocar o negócio pra rodar", fico arrependido por ter deixado outras coisas legais pra trás, por causa desse foco. Portanto agora decidi partir para a estratégia do "Avaliar e Encarar". 

Tenho muitas idéias, alguns projetos, quase nenhum dinheiro, algum conhecimento e muita experiência. Se não tivesse aberto mão de tantas coisas em detrimento de outras, teria aprendido mais e talvez já tivesse meu microimpério. 

Domino a arte de criar negócios do zero, sei avaliar negócios, tenho um bom network e sei elaborar um bom plano de ação pra fazer as coisas acontecerem. Portanto, pra quem ficou decepcionado quando decidi ser empregado por um tempo, saibam que chegou uma nova fase de "Apertar o Botão" aqui no Dinheirologia. 

 O segredo é a dedicação e logicamente a disciplina de se aplicar o Princípio de Pareto às minhas 14 horas de trabalho diárias. Não falei sobre o Princípio de Pareto ainda?! Falarei...

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Prezados líderes, empresários, donos, cafetões, modafocas, ou qualquer outro ser na ponta de comando de um negócio... 
Antes de cobrar algo de um subordinado, procure saber se consegue medir "este algo", para que seu subordinado possa controlá-lo. 
SÓ PODE SER COBRADO O QUE É CONTROLADO E PRA SER CONTROLADO, TEM QUE SER MEDIDO.

Não julgue antes de medir.
É muito comum em pequenos negócios, vermos patrões cobrando produtividade de seus subordinados, sem nunca terem medido a quantidade produzida em função dos recursos utilizados em seus processos. 
Tipo, o patrão vê um funcionário parado e aquilo é um sinal de baixa produtividade. Essa precipitação é a causa do comum Rebuliço-frenético-ao-avistar-o-patrão, reação causada em grande parte dos empregados sejam eles produtivos ou não.

O ambiente do negócio é que faz a produtividade! Sim, digo isso pois, produtividade não é sinônimo de trabalho árduo. 
A produtividade é um resultado extraído de um conjunto de fatores. 

 Duvida que é uma verdade? 
Me responda então o que fazem o "trocador de pneu oficial" de uma equipe de Fórmula 1, o borracheiro de seu bairro e você de madrugada ao se deparar com o pneu furado em seu carro? 
Sim! Ambos trocam pneu! 

Agora me diga quem é mais produtivo? Será que é simplesmente pelo esforço? 
Quem já trocou pneu de carro, de madrugada, bêbado e com frio sabe o que é esforço... 
E quem ganha mais pra trocar um pneu? Coincidência, é o mais produtivo. Porém o mais produtivo talvez tenha o mesmo desempenho que você para trocar o pneu do próprio carro, de madrugada, bêbado e com frio. 
Ou seja, a produtividade depende muito mais do ambiente, do que do esforço da mão de obra.

Para certas coisas, basta controlar o acesso à internet...
Como ambiente, entende-se que são os processos otimizados, equipamentos facilitadores e claro, capital para investimento neste ambiente. Isso que chamo de ambiente, na verdade são, juntamente com o trabalhador, os Fatores de Produção
(Lembro que tudo faz parte de uma cadeia. A Produtividade aumenta o capital disponível para investimento em Produtividade)

A Produtividade não é resultado apenas de um fator, geralmente cobrado do trabalhador. Ela é medida pela capacidade dos Fatores disponíveis de criarem um Produto. 

Portanto, antes de cobrar Produtividade, dê um passeio por algum livro de Economia e certifique-se de ter medido e controlado os processos antes de incomodar seu funcionário, que estava parado, pensando numa solução para ajudar na Produtividade do negócio.