BREAKING NEWS

quarta-feira, 29 de setembro de 2010


 Não deu! Simples assim! Dessa forma se interrompe projetos e joga-se muito trabalho no lixo. Tudo bem, eu adoro isso! Eu adoro o que faço, transformar nada em dinheiro é a melhor profissão do mundo. Mas às vezes o nada não se transforma e isso frusta um pouco, mas a cada nada que não se transforma, tudo que você é se transforma um pouco mais.

Meu sócio veio com a notícia de que o proprietário da indústria de café não gostou da idéia e pretende fazer as coisas do seu jeito. Disse ainda que o proprietário tentou negociar com ele apenas a parte comercial, para que o mesmo ganhasse mercado, investindo apenas em vendas. Em minha opinião, um erro que beira a infantilidade, mas tudo bem, cada um, cada um...

Eu não entro nessa, pois sei que as vendas ambicionadas serão como um tiro no pé para a empresa e não quero ser o responsável por aniquilar uma empresa que gostei tanto, na verdade não quero aniquilar empresa nenhuma. hehehe

Mas desejo toda a sorte do mundo para o Sr. C... (melhor não citar nomes) e para sua empresa. E aguardo os textos que o Júnior me prometeu! Hehehe Pô Juninho, tomara que você leia esse post! Fiquei muito curioso e quero ter seus textos aqui no Blog.
Agora viciei nesse café, que realmente é o melhor que já tomei. Sigam firmes no mercado e como diz meu amigo Chorão (Charlie Brown Jr), "Não deixe o mar te engolir!".

Aos leitores do Blog, fica uma história curta mas realista. Não é sempre que consiguimos empreender algo. Às vezes esbarramos em obstáculos os quais não vale a pena tentar transpô-los (ficou esquisito esse verbo).

Como as coisas por aqui são "na real" e são descritas em tempo real, fica como um programa ao vivo e às vezes o roteiro não dá certo. Mas aguardemos a nova série "Como Empreender", que já está acontecendo e em breve será descrita aqui.

Sobre qual tipo de negócio será a nova série?
...Showbusiness

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Esse filme é um esculacho de bom! Que ótima surpresa tive em meu final de semana! Oliver Stone arrebentou em "Wall Street - O Dinheiro Nunca Dorme". Fui ao cinema para assistir mais um filme cheio de estereótipos, exacerbação hollywoodiana e estilo, como no primeiro filme, o "Wall Street - Poder e Cobiça".
Porém tive uma feliz "queimada de língua"!

Sou um cinéfilo de carteirinha e adoro "O Mercado", portanto não poderia ser diferente. Tinha que assistir ao filme Wall Street 2 no final de semana de estréia.

Fui para o cinema conversando com minha mulher sobre os filmes que usavam o mercado como fundo ou tema. Nessa conversa disse que não era muito fã do primeiro filme e que gostaria muito de ver um filme sobre o livro "Os Mercadores da Noite". Este sim daria um excelente filme!

Já dentro do cinema, com meu pote de Pringles, meu saco de Doritos, um Sufflair e uma Coca Cola, vi começar o melhor filme desse tipo que já assisti (com o tema Mercado)!

Oliver Stone usou acontecimentos históricos, causas e consequências reais e ainda, foi fiel aos princípios econômicos e de mercado.
Ah... e pra completar, os personagens adoram motos esportivas! Fechou!

A única coisa chata, que como cinéfilo eu devo citar, fica para a tentativa do diretor de levar um filme totalmente racional para o lado emocional, com os relacionamentos que giram em torno da filhinha de Gekko. As idas e vindas, términos e conciliações entre a menina, o namorado e o pai, foram totalmente contra a lógica do filme.

Mas tirando este detalhe, o filme é ótimo! E para os aficcionados pelo mercado, por dinheiro ou por Dinheirologia, este é o melhor filme.

E devo dizer que não é pra qualquer um. A pessoa pra entender bem esse filme, tem que ter ao menos conhecimentos básicos de economia e de mercado. Senão, ficará boiando e conversando sobre Restart, como um casal de adolescentes que estava na fileira de trás. Eles devem ter errado de sala, só pode ser isso!

Segue o trailer:

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Ah... Os sonhos, como são perfeitos... Don't sleep!
 Uma YZF R1 2010, aquela do motor Big Bang derivado da MotoGP. Hummm... um Jetta 2010, porque o 2011 parece uma porcaria. Sim, um skate elétrico seria ótimo também. E aquele terno... Ops!
Não, eu não estou sonhando, aliás não estou dormindo, já sonhando pode ser...

Em breve na minha garagem. Vem 'nimim' big bang!

Poxa! Hoje estréia o filme "Wall Street - O Dinheiro Nunca Dorme". Embora seja apenas mais um filme cheio de ilusões sobre o Mercado, eu adoro filmes e adoro o Mercado, portanto essa é a pedida do final de semana.

Aos meus prezados leitores, peço desculpas mais uma vez. Estou muito cheio de coisas pra resolver, dai não tenho tempo e quando tenho tempo, não tenho inspiração. Às vezes uma onda de inspiração me acerta, mas sempre na hora errada, quando estou em cima da moto com caminhões tentando me matar, ou no banheiro todo ensaboado.
Mas não estou dormindo! Meu corpo está pedindo um bom sono, mas se o dinheiro nunca dorme, eu também não posso. Pelo menos enquanto ele não estiver no meu bolso!

Depois de ler "Os Mercadores da Noite" fiquei mais empolgado ainda a nõ ter esse lance de horários. Enquanto você dorme, eu ganho dinheiro! ... Bom, pelo menos deveria ser assim. Por enquanto é "Enquanto você dorme, eu tento ganhar dinheiro!". Kkkkk

A empresa de biscoitos continua andando de lado no gráfico e fortalecendo minha tese de que transformar uma Família Empresarial em uma Empresa Familiar é uma tarefa bem próxima do impossível e que provavelmente seja mais fácil ser feita por um 'terceiro-não-familiar'.

Estamos lançando um programa de tv o "Sou Cidadão"! Esse será um trabalho que me dará muito prazer. Não há coisa melhor do que poder ajudar os outros. Assim que tivermos uma data de estréia, avisarei aqui.

Tenho outro negócio também que pode me render a Independência Financeira em apenas um contrato. Uma equipe minha está nesse momento em Campinas pra tentar fechar isso. A mim, resta providenciar uns documentos e aguardar. Como tem gente endinheirada nesse mundo...

Ah... No próximo post, provavelmente de segunda-feira, contarei o capítulo final da primeira série "Como Empreender".

As eleições estão aí! Em quem você vai votar?!? Fod@s! Independente de quem for seu candidato, ele não vai resolver nada! Quanto mais eu conheço a parte 'inside' de políticos e religiosos, mais eu vejo que a igualdade que o povo quer, jamais existirá e esses dois tipos corruptos de gente sempre fará o povo de marionetes.

O ego é corrupto e está dentro de todos nós. Por poder ou por dinheiro, ou pelos dois, todos nós temos um preço. Nossa interpretação do mundo muda num instante, influenciada pelo nosso ego.

Fiquem com Deus e tenham bons sonhos, mas não durmam...

segunda-feira, 13 de setembro de 2010


Nesta última sexta-feira gravamos o primeiro programa “Sou Cidadão”, que será um programa totalmente voltado para o âmbito social. Divulgaremos projetos e instituições que fazem um excelente trabalho, mas que carecem de ajuda para tocarem suas transformações pra frente.
Quais transformações?
Eles transformam injustiça e desigualdade em cidadania.

Neste primeiro programa, fomos até um projeto social na Pedreira Padro Lopes em BH. Um lugar que remete à violência na mente da maioria dos belorizontinos.
Mas chegando lá, o que vimos foi uma comunidade forte, injustamente estereotipada e carente de seus direitos.
Fizemos uma matéria com o projeto do simpático Claudemir (Mimi), que desenvolve as crianças da comunidade com a ajuda do futebol.

Neste mesmo projeto encontramos o protagonista de outro quadro do programa, no qual realizamos sonhos de pessoas carentes. Descobrimos um garoto de 14 anos, revelação no futebol da comunidade que nutria o sonho de jogar pelo Clube Atlético Mineiro. Investigamos sua vida e de sua família e descobrimos que o pai morreu há 6 anos pelo tráfico, e que a mãe sustenta a casa com apenas 1 salário mínimo.

A equipe toda correu atrás da realização do sonho do garoto e eu prestei atenção na mãe, que tinha o sonho de ter seu próprio negócio, um restaurante. A missão do programa é não apenas dar o peixe, como ensinar os cidadãos a pescar.
Durante uma das reuniões de pauta, eu, submerso em minhas ocupações frisei:
- Darei apenas uma direção para que ela corra atrás de seu sonho! Não quero ninguém me ligando depois do programa para pedir consultoria gratuita, pois não tenho tempo disponível!

Em minha cabeça, tinha o estereótipo do garoto sendo aquele moleque fã do grupo Facção Central, que teria como ídolos, os grandes traficantes. Já a mãe, imaginava uma daquelas mulheres vulgares, que deixam o filho solto nas ruas enquanto ficam num boteco bebendo até altas horas...

Quanto preconceito!
Quantas coisas este primeiro programa me ensinou.

Tanto a mãe quanto o menino, ultrapassam os limites da humildade, educação e zelo familiar. Que exemplo! Uma família que sobrevive com um salário mínimo, sem dívidas e que ainda fazem sobrar dinheiro no final do mês.
Que exemplo!

O programa foi perfeito! Demos algumas coisas a eles e reacendemos a chama da esperança em suas mentes e em seus corações. O menino vai jogar no Atlético e a mãe, além de receber um "Dia de Princesa" e um jantar com o filho e a equipe do programa, recebeu um material e ouviu dicas a respeito do planejamento financeiro familiar.
Essa seria a minha parte, apenas direcioná-los a um futuro financeiro melhor e aos 45’ do segundo tempo, tentei fazer o melhor possível. E fiz...

Elaborei um material simples, de fácil acesso e que contem tudo o que uma família humilde necessita saber para seguirem o melhor caminho financeiro em suas vidas.
Porém, como nunca havia participado de um programa de TV, achei que teria mais tempo com a família, mas não tive tempo suficiente para dizer tudo que queria.

Por isso, desde sexta-feira isso não sai da minha cabeça. Eu tenho que ajudar mais!
Já marquei com meu sócio uma visita surpresa à família, sem câmeras ou maquiagens, sem equipe de produção ou roteiro, vamos apenas de corações abertos e cheios de conhecimento, para terminarmos nossa missão.


Muito obrigado a toda equipe do programa "Sou Cidadão"! Seremos cidadãos melhores a cada programa.

Assim começou o programa “Sou Cidadão”, pelo menos pra mim...

quarta-feira, 8 de setembro de 2010


Acho que já expliquei por aqui a diferença entre análise financeira e análise econômica. Mas hoje darei um exemplo totalmente fora dos livros e absolutamente pertinente ao cotidiano das pessoas, que se mostra como um intrigante quebra-cuca.

Há pouco tempo passei pela pior fase financeira de toda a minha vida, em decorrência de um erro já descrito aqui.

Meu orçamento (ganhos), fechava a maioria dos meses empatado com meus gastos, isso quando não ficava devendo alguma coisa.
Nessa mesma época, meu carro começou a baixar o nível de água, sem ter nenhum tipo de vazamento. Vi que o carro estava com problemas, mas bastava completar o nível de água todos os dias pelas manhãs, que assim não teria que gastar dinheiro, que aliás, eu não tinha.

Eu via que o problema piorava, mas bastava completar o reservatório de água, agora duas vezes por dia.
Tentei tirar uma grana pra levá-lo a uma oficina, mas o mecânico disse que o conserto ficaria em cerca de 300 reais. Como financeiramente, eu não tinha este valor, posterguei o reparo.
Se avaliasse economicamente e financeiramente, enxergaria que se fizesse um empréstimo naquela ocasião e até mesmo, atrasasse algumas parcelas, seria vantajoso, haja visto que o problema poderia aumentar com a postergação.


Eis que então o carro parou e o reparo ficou em 3 mil reais!!!

Mas este não é o problema em questão!
O problema é que o carro suportou até eu sair dessa "pior fase financeira da minha vida" e se anteriormente eu não poderia arcar com 300 reais, agora eu tinha condições de arcar com os 3 mil.

Daí pergunto?
Tive alguma vantagem financeira? E econômica? Não tive nenhuma das duas?

Dadas as situações e cenários, eu enxergo vantagens e desvantagens, mas quais são as econômicas e quais são as financeiras?

Beijo, me liga!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010


Desde os meus 19 anos que falo isso: Contatos valem mais que dinheiro!
É verdade.
Em tudo o que me empenhei em fazer na vida, quase nunca tinha dinheiro, mas sempre tinha bons contatos e por isso consegui fazer muitas coisas.
A grande maioria das pessoas dá valor demais ao dinheiro, mas este valor é exatamente o que ele custa, ou seja, o valor impresso na cédula. Já os contatos, têm seu valor variável, proporcional à gestão de seus relacionamentos.

A maior parte dos empreendedores, consideram a tarefa de empreender sem dinheiro, algo bem próximo do impossível. Até hoje, a quantia máxima que investi do meu bolso em meus negócios, foram 5k's.
Hoje em dia há até maneiras bem mais fáceis de iniciar um negócio, sem ter que investir nada e bem fácil de fazer, justamente por parecer ser tão difícil. Importar da China e revender aqui, não necessariamente nessa ordem. kkkk

Atualmente estou com 4 projetos de negócios para serem empreendidos sem grana. Sendo que o negócio responsável pelo meu sustento atualmente foi gerado a partir de 5k's e hoje fatura quase 3kk's.

A arte de empreender negócio do zero requer experiência, sabedoria, conhecimento e nervos de aço. Não é qualquer um que faz e por isso, sempre que alguém pensa em começar um negócio, começa também a buscar investidores.

Não sou trouxa em dizer que é melhor começar um negócio sem dinheiro, do que começar com bom caixa inicial. O problema é que muitos não têm essa opção!
A necessidade me fez aprender a gerar dinheiro para criar uma empresa do zero e hoje em dia tento aprender a fazer a empresa gerar dinheiro.

Mas hoje, em minha filosofia na criação de novos negócios, utilizo dessa mesma técnica, mesmo quando não há necessidade. Se quero criar um negócio do zero, ele tem que sair do zero mesmo. Se eu colocar capital próprio nele, é como se estivesse trapaceando.

Outro motivo para que eu mantenha este método é que o capital te deixa em uma zona de conforto, onde você poderá cometer alguns erros iniciais pois seu capital suportará. Já se começar sem capital, não poderá errar! Isso te deixa mais focado e ligado... praticamente fritando em cima do negócio.
Com isso em mente, sempre lembro meus sócios de queimarem seus barcos, fazendo referência ao General Tárique, que ordenou que queimassem seus navios, antes da Batalha de Guadalete:
Irmãos pelo Islão! Temos agora o inimigo pela frente e o mar profundo por detrás. Não podemos voltar para o nosso lar, porque queimamos os nossos barcos. Agora só nos resta derrotar o inimigo ou morrer de forma covarde, afogando-nos no mar. Quem me seguirá?

Quando não se tem opções, você é capaz de fazer o inimaginável.

E o jeito mas fácil de fazer isso é usando seus contatos.
Uma das melhores dicas do Pai Rico, é a de selecionar suas relações. Se quero ser um empresário/investidor rico, não posso perder meu tempo me relacionando com quem deseja apenas ter sua casinha e um emprego estável que lhe pague um salário de 4 dígitos.

Pode parecer cruel, mas é a mais pura verdade! E só quando deixei o coracão de lado e enfiei isso em minha cabeça, foi que as coisas começaram a acontecer.
Não estou mandando tratar mal as pessoas que desejam poucas coisas da vida, digo apenas para não perderem tempo.


Tem que criar o contato e depois administrar o contato se relacionando com o mesmo. Aqui entra a máxima de São Francisco: "É dando que se recebe."

Faça contatos e cuide bem deles. Eles terão valor maior que o dinheiro, proporcionalmente aos seus cuidados com os mesmos.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Este novo negócio não rendeu tanta velocidade como pensei que renderia, mas tenho certeza que gerará algo muito bom. O proprietário deu uma guinada temerosa inesperada e por isso os eventos da negociação ficaram mais lentos ou em segundo plano. Por conta disso, dediquei mais tempo a outras tarefas e ainda não pude me reunir com os sócios do negócio ainda.

Mesmo após essa mudança no trajeto, continuei seguindo em frente, ja que gostei do negócio em si, pouco me importando se teria utilidade para aquela empresa ou não.
Me baseei nos problemas e objetivos iniciais daquela empresa, para ver o que conseguiria no segmento.


Tracei então algumas linhas estratégicas:

  1. Potencial de produção
  2. Geração de caixa

Para minha surpresa, consegui ótimas soluções, sem apresentar a empresa em si a terceiros e sem despender de um centavo sequer.

O potencial de produção atual da empresa, de acordo com as leis ambientais e o galpão alugado é de 20 toneladas/mês. Isso foi algo que me preocupou, pois além de interferir na logística devido à distância, não criaria o caixa necessário aos investimentos previstos em meu projeto.

Dessa forma, se faz necessário a mudança geográfica da empresa, que gera gastos de mudanças e que pode afetar nos custos fixos, haja visto o baixo valor pago de aluguel atualmente.
Assim, eu e meus sócios fomos um pouco mais ambiciosos e insólitos...

Tentamos conseguir uma área, já com benfeitorias, nas prefeituras vizinhas à capital. E conseguimos... (Claro que com um bom projeto)

Com essa parte resolvida, montei a estratégia para gerar mais caixa em menos tempo.

Analisei o mercado potencial do produto comercializado com o markup mais alto, neste caso, 78% sobre a receita. Para este produto, já consegui um cliente que me comprará 200 toneladas/mês.

Claro que tenho mais cartas na manga, mas com apenas este passo, já produziria um caixa acima de 920k/mês, mas não nos primeiros meses, pois cairia no próximo passo, o Ciclo Financeiro Positivo.

Este sim é um dos maiores trava-alegria desta empresa. Com seu ciclo financeiro positivo, a empresa tem que possuir caixa o bastante para suportar o crescimento nas vendas.

Junto com essa situação, a ausência de um bom caixa e a filosofia radicalista de aversão às dívidas do sócio-proprietário, montaram um cenário digno de Stephen King.

Resumidamente, eu teria que pegar uma empresa que fatura 70k/mês, com caixa de 20k, ciclo financeiro positivo em 31 dias, com produção máxima de 20 toneladas e transformá-la em um negócio com potencial de produção 10 vezes maior, que fatura 28 vezes mais, sem me endividar.

(Pausa dramática)...

Corri atrás de meus amigos-gerentes-de-bancos e achei a solução: O Crédito Rotativo de Baixo Custo.

Este é um crédito que funciona como um cofre. O banco lhe dá uma conta com trocentos mil reais, de acordo com o que oferece em garantia e seu projeto. Você não paga nada por essa conta, até que utilize alguma grana dela. Se você pegar 100 reais dela por 5 dias, os juros pré-combinados atuam sobre os 100 reais, durante os 5 dias utilizados, quando então você repõe os 100 reais na conta novamente.

Nesta empresa, eu utilizaria este crédito de acordo com minha necessidade de capital de giro. Para qualquer caixa de padaria entender, se eu precisar de 30k pra comprar matéria prima amanhã e não tiver caixa pra isso, eu pego o dinheiro na conta-cofre e amanhã, quando eu receber 10k, eu deposito na mesma conta, baixando meu débito para 20k e assim que for fazendo meus recebimentos, vou abatendo.

Agora com tudo resolvido e todos os stakeholders aguardando meu sinal, proprietário desviou da rota devido a inseguranças geradas pela ameaça que a estratégia representa à sua zona de conforto. Nada mais justo e compreensível. Ele é um homem que saiu "do nada" e conquistou mais do que imaginou, fazendo as coisas do seu jeito.
Querendo ou não, temos que respeitar... e muito.