BREAKING NEWS

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Decidi abordar o marketing em alguns tópicos, pois vejo que tem muita gente pensando que marketing significa vendas!
Segundo o guru do Marketing Philip Kotler, marketing pode ser definido como a administração de relacionamentos lucrativos com o cliente. Simples assim! Pelo menos em conceito, pois essa definição simplificada aborda uma complexidade sem tamanho. Ou seja, Marketing é muita coisa!
De acordo com Peter Drucker, outro guru, o objetivo do Marketing é tornar a venda desnecessária.
O marketing moderno baseia-se em ouvir os clientes e lhes darem o que querem.
Desse modo, marketing não é uma caçada e sim um cultivo.
Em todos os Planos de negócios deve constar a estratégia de marketing da empresa, que nada mais é que, determinar a quais clientes a empresa vai servir e como criará valor para esses clientes.
Esse valor deve ser medido pelo valor percebido pelo cliente. Em geral, os clientes não julgam os valores e os custos do produto de maneira precisa ou objetiva. Eles agem de acordo com o valor percebido. Quais os valores você de fato percebe na hora de comprar um determinado produto em vez de outro? Talvez o outro produto tenha diversos valores que você não percebeu e por isso você escolhe o que tem valores mais perceptíveis pra você.
Por enquanto é só uma introdução ao Marketing, depois nos aprofundaremos mais!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Não sei muito a respeito de Previdência Privada, pois logo que comecei a estudar, vi que de vantajoso isso não tem nada, apenas a promessa: “Seu futuro garantido!”- Vai nessa!

Já os títulos de capitalização dizem: “Além de estar investindo no futuro, concorre a uma bolada de prêmios!” – Quer concorrer a prêmios, joga na Megasena!

Pra mim, não presta!

Obs.: Exceto para quem paga IR e deduz sua previdência PGBL do imposto!
Como quaisquer investimentos em Fundos, esses dois tipos de “investimento” te cobram IR e taxas de administração absurdas se comparadas à rentabilidade dos mesmos, além das taxas de carregamento.

Sobre os Títulos de Capitalização eu já sou taxativo, sem gastar tempo com explicações:
- SÃO ÓTIMOS INVESTIMENTOS, PARA QUEM OS EMITE! Corra disso!

Já a Previdência Privada, exige uma explicação, pois as pessoas que a usam, pelo menos já pensam no futuro, porém de forma errada!
Se quer ter rendimentos no futuro, se aposentar, basta fazer as mesmas contribuições que faz para a previdência, em outro tipo de investimento.

Um exemplo para mudar a visão: Em meus investimentos de segurança, eu terei mais de R$ 1.000.000,00 corrigidos pela inflação daqui a 25 anos. Ou seja, é minha Previdência Própria! Poderei me aposentar se assim eu quiser e viver dos rendimentos, sem mexer no montante principal, ao contrário da Previdência que uma hora vai acabar e daí resta a você rezar pra morrer rápido.

Basta você estudar um pouquinho sobre os outros tipos de investimentos, que saberá como fazer isso também!

Mas digamos que você não tenha 25 anos de investimentos pela frente. Daí minha opção é ALAVANCAGEM! Ou seja, estude muito, se esforce e invista nos Ativos que te gerem uma maior rentabilidade, estando você preparado para controlar os altos riscos desse “Intensivão”.
Fundos são “condomínios” de investidores que contratam um gestor profissional para administrar sua carteira ¹. Ou seja, esse gestor administra ativamente ou passivamente os títulos/ativos que compõem essa carteira. Esse condomínio (Fundo) compra os títulos/ativos por intermédio de seu gestor e os investidores compram cotas desse condomínio.

O Gestor Ativo se aproveita das oscilações do Mercado para realizar mais lucros, porém oferece um risco maior de perder também. O Gestor Passivo usa o estilo “Buy and Hold” (Comprar e segurar), visando os ganhos no longo prazo, não havendo alterações freqüentes na composição da carteira.

Todos os Fundos de Investimentos sofrem descontos de Imposto de Renda, que é o percentual cobrado em cima “apenas” dos seus ganhos, e não no montante investido, no momento do resgate do dinheiro. E também das temíveis taxas de administração que variam de 1 a 4% ao ano, sobre todo o montante. As taxas de administração seguem duas linhas de mercado:
- Quanto menos você tiver pra investir, maior a taxa;
- Quanto melhores os resultados passados dos Fundos, maior a taxa. Nesse caso eu concordo, pois se trabalham bem pra mim, eu devo pagar bem.

Em questões de liquidez, os Fundos deixam um pouco a desejar também, pois demoram a converter seu dinheiro em cotas, geralmente D+1 (O dia da compra mais 1 dia útil) onde vale o valor da cota do dia útil seguinte ao que você comprou. E demoram ainda mais, para converter suas cotas em dinheiro, que vai até a D+4. Nessa movimentação dinheiro-cotas e vice-versa, você pode perder dinheiro, pois sempre que você comprar ou vender, não saberá o valor de fechamento das cotas antes de realizar a operação.

Portanto quando forem aplicar em qualquer tipo de Fundo de bancos ou corretoras, verifiquem:
- Se o gestor é ativo ou passivo (Nada relacionado a opção sexual)
- Rentabilidade
- % do Imposto de Renda x Prazo de aplicação
- Taxas de administração
- Liquidez

¹ - Definição dada por Maurício Katayama em Fórum CPR.
Indagado sobre os seus gastos pessoais, um amigo afirmou, tentando se mostrar inocente perante a sua falta de dinheiro:
- Mas eu sou o cara mais pão duro que conheço!
Pois bem, educação financeira não tem nada haver com "pãodurice". Claro que quando começamos a nos educar, é necessário fazer algumas privações para conseguir se livrar das dívidas, mas depois disso é só festa!
No início eu devia muita gente e negociei todas as dívidas, baixando (e muito!) os juros sobre elas e pagando uma a uma. Nessa época não tinha dinheiro nem pra alugar dvd. Porém, depois que passou essa fase inicial, voltei a minha vida normal.
Hoje em dia, educado financeiramente, posso sair sempre que quiser, ir a bons restaurantes, frequentar lugares caros, ou presentear minha noiva com coisas de bom gosto. Faço tudo isso, pois essas coisas entram no meu fluxo de caixa como despesas aleatórias e não como Passivos.
Já se eu comprar um carro novo, a coisa muda de figura!
Portanto deixem de se pão-duros, pois isso não leva a lugar algum!

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Este é um tipo de investimento que muitos consideram seguros porque é bem tangível, ou seja, você de fato tem algo grandioso para tocar, ver e mostrar. O problema é que este é um tipo de investimento que necessita de muita experiência e contatos. Se entrar no ramo sem entender muito do assunto e sem ter contatos, você dança!
Embora muitas pessoas pensem que pra se investir em imóveis é necessário muito dinheiro, esse tipo de pensamento está errado. O maior problema desse investimento, independente da forma como você investirá, é a liquidez. Transformá-lo em dinheiro é difícil.

Como investir em imóveis sem dinheiro?
  • Investindo em Fundos Imobiliários: É uma forma de investir em imóveis reais, porém você não será o único dono. Não acho um bom negócio, pois como nos outros títulos, você só terá papéis de difícil liquidez, portanto por que não comprar papéis de empresas de alta liquidez?
  • Investimento Alavancado em Imóveis: Este é “O” tipo de investimento com retorno! O problema é que até hoje não encontrei ninguém capaz de fazê-lo no Brasil. Consiste em você comprar um imóvel com o preço abaixo do valor de mercado, típico de imóveis na planta (25% mais baratos), imóveis que servirão para se dividir herança, imóveis de quem está com a corda no pescoço e etc. Depois disso, deve-se conseguir adiar ao máximo a data da entrada a ser paga, para dar tempo (se for o caso) de vender o imóvel. O próximo passo é alugar esse imóvel para que o aluguel consiga pagar as prestações e ainda arcar com despesas eventuais provenientes desse tipo de investimento. De acordo com a média, o aluguel corresponde de 0,5 a 1% do valor do imóvel, sendo que imóveis comerciais e kitnetes chegam mais próximos do teto percentual. Depois que a valorização do imóvel acontecer, você vende! É uma forma de render renda passiva mensalmente e ainda aumentar seu patrimônio, quase sem usar seu dinheiro. Mais alavancado que isso, impossível. O que atrapalha no Brasil são os altos juros, mas ainda acho que pode ser possível conseguir esse tipo e investimento.
Como eu já disse, vai depender de sua experiência e seus contatos.
Dois ótimos livros sobre o assunto são:
Seu Imóvel: Como Comprar Bem – Mauro Halfeld
Imóveis: Como Investir e Ganhar Muito Dinheiro - KEN MCELROY (Série Pai Rico)

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

"A imaginação é mais importante que o conhecimento."
"Os grandes espíritos muitas vezes são confrontados pela violenta oposição de mentes medíocres."
- Einstein
"Crie um sistema excelente e sua empresa dependerá dele e não de pessoas. Um sistema do quadrante D é igual um carro, pois não precisa de vocêpara funcionar. Já um sistema do quadrante A, volta pra casa à noite." - Robert Kyiosaki

"Se gastar seu tempo discutindo com um idiota, terá dois idiotas."

Eu não tenho um curso superior em meu currículo!
Aliás, eu não tenho nada em meu currículo! Não tive empregos anteriores, a escola em que formei o segundo grau faliu e não sei como pego meu certificado de conclusão do segundo grau, em todos os cursos que já fiz, nunca pedi um certificado, daqueles que você coloca numa moldura e pendura na parede. A única coisa que tenho em meu currículo é minha cabeça e a forma de anotar isso para outros lerem é dominando a arte da fala.
Mas o que quero mostrar com este post, é que formação acadêmica não é sinônimo de sucesso e vice-versa. A maioria do empreendedores americanos mais famosos não teve educação superior. Thomas Edison (GE), Henry Ford (Ford), Bill Gates (Microsoft), Richard Branson (Virgin), Michael Dell (Dell), Steven Jobs (Apple e Pixar), Ted Tuner (CNN), são exemplos do quão longe se pode chegar mesmo sem ter a tão aclamada formação acadêmica.
Seria ótimo se eu tivesse optado por entrar em uma faculdade com 17 anos de idade. Porém hoje em dia não posso "perder meu tempo" com isso.
Quando completei 18 anos, ganhava em torno de R$ 3.000,00 mensais trabalhando de ambulante, isso em 1997. Nem pensei 2 vezes quando decidi que meu futuro não teria um diploma pendurado numa parede.
O problema é que dinheiro, ainda mais pra quem não tem educação financeira, vem e vai. Já o conhecimento fica! Mas nas faculdades, onde se oferece o conhecimento em abundância, não lecionam sobre Educação Financeira, portanto mesmo depois de adquirir conhecimento, o dinheiro pode ficar nesse mesmo vai e vem!
Mas diploma também não é sinônimo de conhecimento. Digo isso com autoridade, pois por diversas vezes ministrei "aulas" de administração para administradores e de economia para economistas, em reuniões de amigos. Quando visitava minha noiva em sua faculdade, os professores adoravam me adotar como aluno, pois se impressionavam com minha sede por conhecimento. Claro que não podemos generalizar, conheço gente que nem terminou o curso ainda e que me deixa babando e com o cérebro fritando por não conseguir acompanhar.
Não quero fazer apologia ao analfabetismo acadêmico, só quero dar um apoio aquem não tem diploma e se acha inferior aos outros. Uma coisa é certa, se for buscar um emprego, a quantidade de diplomas é totalmente proporcional ao seu salário.
Enfim, o sucesso está aí pra todos, desde um vassourinha de vias públicas, até para um pós-graduado.
A marca é um ativo da empresa que deve ser muito bem trabalhado. O objetivo é agregar valores intangíveis à sua marca. Como descrito no livro Toyota, do ponto de vista do cliente as coisas tangíveis como qualidade, custo e velocidade, são simples meios para se chegar ao fim. Aliadas aos determinantes intangíveis, transcende-se a transação meramente econômica, porque os laços emocionais resultantes são muito mais fortes do que o câmbio do dólar. Percepção é realidade. A emoção é um recurso ilimitado com poder ilimitado.

A Conexão Lovemark é composta por: Mistério, sensualidade e
intimidade.
Mistério refere-se às histórias, mitos e símbolos em torno da
empresa.
Sensualidade refere-se aos cinco sentidos: Visão, audição, olfato, tato e
paladar.
Intimidade refere-se a envolvimento, empatia e paixão.
- Kevi Roberts, CEO Mundial Saatchi & Saatchi. (Livro: Lovemarks: O
Futuro Além das Marcas)

Aristóteles disse que a alma não consegue pensar sem uma imagem, então dê à sua marca a imagem correta e atrativa que seu cliente deve usar para pensar sobre ela.

Os títulos de renda fixa, como o próprio nome já diz, são títulos emitidos pelo governo, bancos ou outras empresas, com a rentabilidade da operação já fixadas, seja através de uma taxa pré-fixada ou através de algum índice que embora não seja pré-definido para a data de resgate já indica qual a correção que será aplicada sobre o montante principal. Eles são como um empréstimo, cada vez que você compra um título de renda fixa você está basicamente emprestando dinheiro ao emissor do título (que pode ser o seu banco, uma empresa ou o governo). Os juros cobrados nada mais são do que a remuneração que você recebe por emprestar seu dinheiro.
Quais são esses títulos?
- Títulos Públicos:
Títulos Municipais
Títulos Estaduais
Títulos Federais - Tesouro Direto
- Títulos Privados:
Letras Hipotecárias
Títulos de Capitalização
Notas Promissórias
Caderneta de Poupança
Debêntures
CDB e RDB
Letra de Câmbio
CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários)
FIDC (Fundos de Investimento em Direito Creditório)
Na minha modesta opinião, o único desses que é "usável" atualmente, é a poupança que como já disse é a forma mais líquida de conseguir os juros compostos em cima de seu patrimônio.
A maior parte dos Fundos de Renda Fixa, rendem muito pouco atualmente e ainda sofrem com descontos de IR e taxas das instituições. Muitos são os adeptos desse tipo de investimento, mas eu prefiro deixar meu patrimônio numa forma mais líquida e sem a incidência de impostos, enquanto ele não está aplicado em algo mais arriscado e altamente rentável.
Há ainda a opção de investir em algum Fundo que administre investimentos nesses títulos (Além de outros) pra você. São os famosos Fudos de Renda Fixa e DI. Dentre os títulos administrados por esses Fundos estão: CDB, RDB, CDI, Debêntures Simples, Debêntures Conversíveis, Notas Promissórias, Commercial Papers, LFTM, LFTE, LBC, LTN, LFT, NBC-E, NTN, Over/Open. Ou seja, é muita coisa pra ser administrada! hehehe
Resta lembrar que grande parte desses investimentos (Não sei se são todos) têm a garantia de que no caso de ocorrer qualquer "coisa ruim", você tem pelo menos R$ 60.000,00 de volta.
E outra: Por favor, não caiam em papo de gerente de bancos! Ele só entende de coisas que tem que vender!

Venho hoje recomendar aos amigos, um desenho que assisti nesse fim de semana. O desenho "Tá Dando Onda" (Surf's Up).

Por mais bobo e infantil que possa parecer, esse desenho passa uma mensagem que eu havia esquecido e que serviu como um "beliscão" em mim. Qual a mensagem?

- O importante é se divertir!

Logo quando comecei a me educar financeiramente, tudo era divertido. Me divertia lendo, pesquisando, pensando e agindo. Porém fui deixando que sentimentos ruins tomassem conta e acabei ficando estressado, nervoso e já não me divertia mais. Lembro que lia um livro em um dia, estava sempre sorrindo no ambiente de trabalho, mas com tudo o que veio acontecendo, fui deixando a diversão de lado e passando a trabalhar duro como um pequeno empresário. Só que para mim, dessa forma as coisas não fluem, portanto voltarei a me divertir agora!

É essa dica que quero deixar pra vocês hoje: Divirtam-se! Faça da busca por seus objetivos uma diversão!
Dessa forma as coisas fluem.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008


Pra mim, um dos maiores comunicadores e empreendedores do Brasil, disse em uma ocasião:


Conselho ajuda, exemplo arrasta! - Luciano Huck

"O melhor atleta quer seu oponente em sua melhor forma!"
“O juro composto é a maior invenção da humanidade, porque permite uma confiável e sistemática acumulação de riqueza.” - Albert Einstein
Vamos Desenhar:
"... Se, para a compra do carro, vocês resolvessem poupar R$ 300,00 por mês em uma aplicação que rende 0,6% líquido mensal, acumulariam em cinco anos R$ 21.589,42. A soma dos depósitos nesses sessenta meses seria de R$ 18.000,00, mas os juros do banco teriam trabalhado para vocês e viabilizariam a compra de um automóvel melhor. Se vocês, porém, optassem por comprar hoje um automóvel de R$ 21.589,42, financiado em sessenta meses a juros de 0,6% ao mês, pagariam sessenta prestações de R$ 429,54! Em vez de os juros trabalharem para vocês, a situação se inverteria: vocês estariam trabalhando - e muito - para pagar os juros compostos. Os desembolsos totais no período seriam de R$ 25.772,40, cerca de 43% a mais do que os R$ 18.000,00 da opção anterior. ..." - Trecho do livro Casais Inteligentes Enriquecem Juntos.
Denomina-se um regime de taxa de juros composta, quando a cada período de capitalização, os juros incidem não só sobre o montante principal, mas também sobre os juros já acumulados até então. Isso vale tanto a seu favor (Investimentos), como contra você (Empréstimos/Financiamentos).
É difícil no início dos investimentos ver a tão famosa "Mágica dos Juros Compostos" render apenas alguns centavos. É frustrante! Mas é exatamente aí que está a mágica! Quando você for parar para analisar no médio-longo prazo, ficará extasiado ao ver a mágica acontecer!
Disponibilizei uma planilha para cálculo dos juros compostos sobre o investimento AQUI . Basta colocar o montante inicial, o valor a ser investido mensalmente, a taxa de juros e tcharã!!! Lá está!

"Todos os homens têm medo, mas o bravo repele seu medo e avança, por vezes rumo à morte, mas sempre rumo à vitória!" - Lema da Guarda do Rei na Grécia antiga.

Meus colegas e amigos estão quase me batendo por causa dessas (já) famosas 3 perguntas. Portanto gostaria de compartilhá-las com os demais.

Com excessão da minha família, muita gente chega perto de mim procurando respostas prontas para seus investimentos e negócios em geral. Outras ficam sempre falando: - Ah! Um dia eu terei isso! Um dia eu poderei fazer isso! Eu sei que conseguirei porque Deus está comigo!

Estes últimos, eu só retruco quando são muito amigos ou parentes.

Após escutá-los, eu digo que farei 3 perguntinhas bem básicas e se me responderem pelo menos 1 de forma afirmativa, acreditarei que estão no caminho ou que chegarão lá. Lá vai:

1- Você tem e segue um bom plano?

2- Você é excepcional em alguma coisa?

3- A proporção de seus Passivos para seus Ativos (Que te gerem renda) é menor ou igual a 0,3?

A competição não se dá mais entre empresas, mas entre cadeias inteiras de suprimento. Contar com uma logística azeitada é estratégico.

"Não corra atrás das borboletas, cuide bem de seu jardim que elas virão!"
O “Timing” de Compra – O segredo dos investimentos não está na hora de vender e apurar o lucro e sim na hora da compra. Portanto é muito importante conhecer a área em que se está investindo para ter o “Timing” certo. Qual a melhor hora comprar? O que ocasiona essa hora? Quais os sinais de que essa hora está chegando? Essas são perguntas chaves que geram outras perguntas e te ajudam a descobrir o “timing” correto para comprar. Ao contrário do que alguns pensam, isso não serve só para investir em ações, serve para qualquer tipo de mercado, sejam eles imóveis, laranjas, gado, ou hamsters.
Os Processos – Aqui entra o segredo, que não é segredo algum. É aqui que vemos quem ganha mais, ou quem perde mais. Quanto mais você conhecer os processos daquilo em que está investindo, maior será a probabilidade de ganhar mais. Mesmo olhando em um contexto mais amplo, basta enxergar onde você pretende chegar com seus investimentos. Daí você tem dois pontos que precisam ser interligados, onde você está até onde você quer estar. Para chegar no segundo ponto, você tem de escolher como vai. Pode ir caminhando, de carroça, de R1, ou em um foguete. Todos têm suas vantagens e desvantagens (leia-se RISCOS). Como diz o “Pai Rico”, os processos são mais importantes que o objetivo!
O Objetivo – É o mais simples de ser explicado, porém o mais difícil de ser traçado. Se seu objetivo for apenas o dinheiro, tenho certeza que você ficará pelo caminho. Precisamos de um motivo muito forte para mudar nossa cultura, nossa vida, nossa visão do real e assim passarmos por todo o processo que nos leva ao objetivo. O dinheiro é um meio e não um fim!
"Não existe vento a favor pra quem não sabe aonde vai" (Confúcio)
Nota Importante: No Brasil temos a mania de adquirir tudo baseando em nosso fluxo de caixa. Ou seja, se ganho R$ 1.000,00, posso pagar as contas de casa (R$600,00), minha academia (R$80,00) e ainda posso comprar o que quiser com prestações que cheguem até o valor de R$ 320,00! Esse erro básico faz com que 90% da população nasça pobre e morra pobre! Temos que colocar uma coisa na cabeça: Pague-se primeiro! Antes de tudo você tira o valor que deve ser investido mensalmente, depois as contas básicas e depois o luxo, que envolve o que você quer comprar dividido em prestações. No meu caso, não divido nada! Se tiver dinheiro, pago à vista e consigo um bom desconto. Se não tenho o dinheiro, junto até poder comprar! Uso cartão de crédito apenas em coisas que não consigo desconto pagando em dinheiro, mesmo assim, só uso se o dinheiro estiver na conta para pagar aquilo. Você deve mandar no dinheiro e não o contrário. Você decide o que fazer com cada centavo em seu bolso!
Fluxo de Caixa – Baseado no ponto de vista abordado anteriormente sobre Ativos e Passivos, podemos desenhar um fluxo de caixa mais ou menos como a imagem acima... Mais uma vez venho dizer que esse exemplo vem do autor Robert Kyiosaki.

A abordagem de como administrar seu fluxo de caixa em de cada um. Eu administro da seguinte maneira: Sabendo a diferença de Ativos e Passivos, contabilizo o valor do meu patrimônio em Ativos e a partir desse valor, sei o quanto posso ter em Passivos. No meu caso, meus Passivos podem chegar ao valor (teto) de 30% do meu patrimônio de Ativos, ou seja, se eu tenho 100 mil investidos em Ativos, poderei comprar uma moto de 30 mil. Veja o exemplo:

Investimentos - Básico 1

Comece a aprender sobre Investimentos e tome as rédeas de sua vida!

Pois é galera, depois de ver tanta gente desiludida e sem acreditar no quão longe cada um pode chegar, decidi escrever esse mega-tópico sobre investimentos. Primeiramente devo alertar que não sou nenhum expert em nenhum dos temas abordados. Apenas conheço um pouquinho de cada, sendo que o que importa é ter as noções básicas dos investimentos que são: Diferenciação de ativos e passivos, fluxo de caixa, “timing” de compra, processos e objetivo.

Se ao final desse tópico eu conseguir ajudar ao menos uma pessoa a melhorar sua vida, pra mim será imensuravelmente gratificante.

A primeira coisa, a saber: Investir não é complicado e não precisa de muito dinheiro para isso. Pra falar a verdade, depois de um tempo você verá que nem precisa de dinheiro pra se investir.

A segunda coisa, a saber: Não há limites de idade para investir. Um amigo meu, canadense, começou a investir com 8 anos de idade com o dinheiro que o pai lhe dava para limpar a piscina de casa. Não precisa dizer que hoje aos 37 anos ele é “podre de rico”!

A terceira coisa, a saber: Abra sua mente! Lembram do filme Matrix? É a mesma coisa! Tudo o que você considera real sobre dinheiro, finanças, sistema financeiro em geral, será modificado ou totalmente reestruturado.
Sabendo disso, vamos as noções básicas:

Diferenciação de Ativos e Passivos – Ativo, segundo a economia é a totalidade dos bens de uma empresa ou pessoa, incluindo dinheiro, créditos, mercadorias, imóveis, investimentos, etc. Já o Passivo é o conjunto de dívidas e obrigações de uma pessoa ou empresa. Mas no quadro de investimentos, segundo o escritor Robert Kiyosaki (Pai Rico, Pai Pobre), os Ativos são tudo o que você tenha que te gere receita (ganhos) e os Passivos são as coisas que te geram despesas. De acordo com esse ponto de vista, a sua amada moto e o seu sonho (realizado) da casa própria são Passivos e pior, Passivos caríssimos! Porém se você tem uma moto que faz serviços de entrega e uma casa que você aluga para outros, o quadro muda e os mesmos bens se tornam Ativos.

... Continua...

Poupança é um investimento?

Não creio, mas claro, ela pode fazer parte de um investimento.

Esse é o “investimento” mais popular do Brasil, além de ser o mais simples e menos arriscado.
Sua função teórica é o de resguardar o poder de compra. O que não se aplica na prática.
Mas lembre-se há riscos! O governo pode congelar tudo, confiscar, ou o banco onde está o dinheiro pode falir. Para esses riscos, você conta com a garantia de que pelo menos R$60.000,00 serão devolvidos a você (Antigamente eram R$20.000,00).
De todos os investimentos considerados menos arriscados, a poupança é o único que eu uso. Uso apenas quando sei que virá uma grande oportunidade e preciso estar com o dinheiro engatilhado na forma mais líquida (dinheiro na mão) possível.
Não existe valor mínimo para ser investido, não é necessário abrir uma conta corrente, não se cobra qualquer taxa ou imposto e atualmente rende em torno de 0,5% a 0,8% ao mês, sem descontar a inflação. Porém ela não rende diariamente. A poupança rende apenas no “aniversário”, dia do mês em que você depositou.
Tenho essa notícia sobre a poupança também, mas ainda não confirmei se está valendo:

"O Conselho Monetário Nacional aprovou aprimoramento na metodologia de cálculo da TR. O aperfeiçoamento garante que a TR não apresente valores negativos, e portanto, garante a remuneração mínima de 0,5% ao mês para os depósitos em caderneta de poupança, conforme previsto em lei".

A TR é uma taxa calculada com base na taxa média mensal ponderada ajustada de 30 instituições financeiras selecionadas, sendo eliminadas as duas de menor taxa média e as duas de maior taxa média. Do valor obtido, é aplicado um redutor definido pelo CMN. Além de definir os rendimentos da poupança, a TR define também o SFH (Sistema Financeiro de Habitação).
Conclusão:
Para mim a poupança serve apenas como parte de um investimento de curtíssimo ou curto prazo, pra cima disso temos opções muito melhores no mercado. Serve para "transitar" seu dinheiro de um lugar para outro, desde que essa transição seja de curto prazo. Entendeu?!

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

A Lei de Talião

"Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente."-Mateus 5:38
No comércio, é realmente depois do carnaval que as coisas começam.
Como estou na guerra, na primeira semana pós-carnaval recebi um ataque bem forte dos que deveriam ser meus aliados. Isso mesmo, a empresa da minha família, a qual eu deveria me desviar no mercado, armaram uma ofensiva que me deixou "bambo"!
Depois de receber a "porrada", fiquei extremamente nervoso, porém me lembrei do livro "Poder Sem Limites" do Anthony Robbins e com um trabalho mental, consegui me acalmar e raciocinar direito.
Em um primeiro momento, pensei em conversar com os dirigentes da empresa deles, para registrar que eu não gostei da ofensiva deles e que isso me prejudicaria, mas depois vi que se trata de uma guerra fria, pois seria impossível não saber que tal ato me prejudicaria.
Não uso a lei de Talião em minha vida pessoal, minha filosofia sempre foi: Faça o bem!
Porém nos negócios essa lei se faz necessária. Para ficar mais claro, essa é a lei da retaliação!
No meu entender, no mundo dos negócios, para toda ação ofensiva de seus concorrentes que te atinja, deve-se seguir 3 passos depois de tomada a "pancada":
- Armar uma postura defensiva, para minimizar o golpe;
- Elaborar uma estratégia sistêmica para surpreender o concorrente;
- Retaliar com toda a força que tiver!
Não há prazo para uma retaliação. Quanto mais a poeira abaixa, mais a soberba invade o ambiente adversário e menos se espera sua reação. Portanto digo que temo mais quem está em silêncio!
Continuando a história, montei minha estratégia defensiva e agora estou montando a ofensiva que começa a ser montada de fora para dentro, no sentido de que a ação deve englobar todas as possíveis consequências provenientes dela mesma. A retaliação só será efetiva se além de "pagar na mesma moeda", ainda anular completamente o adversário nesse campo de batalha.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Faço de tudo para ajudar a outras pessoas que estão nessa batalha, assim como eu.
Pra facilitar um pouco mais, coloquei o link do site da Biblioteca Financeira aí do lado, para poderem ler quantos livros quiserem, sem gastar quase nada!
E lembrem-se: O mellhor investimento que pode fazer é em conhecimento!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

"Em vez de procurar pela resposta certa,
procure pela pergunta certa!"

As grandes soluções aparecem após alguns "Comos" e "Por Quês"!
Minha empresa faz a distribuição de produtos alimentícios para o varejo, ou seja, sou um atacadista. Ser atacadista, significa ser o elo mais fraco da cadeia de suprimento e para isso devemos nos armar melhor que os outros elos. Mas eu escreverei sobre isso em outro post.
Aqui quero dar a dica de dividir a empresa de acordo com seus canais de distribuição.
Empresas como a minha, buscam vender em todos os nichos de mercado existentes, pois se focar em apenas um, esbarrará em concorrentes desleais, fornecedores sem profissionalismo e/ou péssimos clientes.
Mas se você distribui de várias formas, sem se ater aos detalhes de cada uma, você corre um sério risco de não saber o que se está fazendo e além disso, com certeza não estará caminhando para a perfeição em seus processos.
Portanto, dividi a empresa em mini-empresas (Fictícias), onde cada uma tem seu próprio Faturamento, Custos (Pós-rateio), Ponto de Equilíbrio, Grau de Alavancagem Operacional, Preços e sistema operacional.
Dessa forma, fica muito mais fácil controlar tudo, analisar e buscar a perfeição nos processos.
Para cada canal de distribuição (Vendas) que for abrir em sua empresa, experimente fazer isso!
Elaborei uma planilha no Excel, personalizada, onde tenho os dados de todos os canais, podendo analisá-los em conjunto.
Fica a dica, um abraço!

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008


Continuando minha saga, disse que parei de produzir em Novembro de 2007. Tive um crescimento pessoal e da minha empresa excepcional até Outubro de 2007, quando consegui um grande cliente e minha família me considerou um traidor.
Moro com meus pais ainda e não quero escrevero que escutei dentro de minha própria casa e da minha família que em vez de comemorarem minhas vitórias, se sentiam traídos e abalados.
Meu coração me fez parar a evolução. Parei por diversas vezes para pensar se de alguma maneira eu poderia ser mesmo um traidor, ou qalquer outra coisa que escutei.
Me senti ainda mais sozinho e subjulgado.
Creio que a maior luta que as pessoas vencedoras travam, é contra elas mesmas, pois lutadores como eu lutam contra gigantes sem medo da derrota, mas quando a luta é interna, você perde força com uma velocidade alucinante. Todos te desprezando, menosprezando suas idéias, debochando, tentando limitar seus passos, fazendo de tudo para você perder, mas creio eu, tentando ajudar. Isso tudo vai direto para seu coração e é lá que sua maior luta é travada!
Levei 3 meses para vencer essa batalha! De Novembro de 2007 à Janeiro de 2008. Penei, me machuquei muito, fugi para passatempos que me desviavam da luta, mas por fim, lutei e venci!
Por isso deixo a dica para todos os que seguem caminhos diferentes: Sejem fortes, encarem de frente e lutem! Não deixem que palavras desanimadoras parem em seus corações. Se for a favor da maré, vai terminar onde a maré termina.
Voltei mais forte!
Li no livro "Toyota":
..."É o contexto que diferencia invenção de inovação. E ele é formado e controlado pelos sistemas e esruturas predominantes em torno de suas idéias. Para "Pensarmos Fora Da Caixa", temos que saber o que é a caixa. A caixa é o contexto. Ou faz sua idéia se adequar à caixa, ou constrói uma caixa nova para ela."...
Fiz uma adaptação, pois o livro não está aqui comigo.
Em breve postarei um resumo do que achei sobre esse excelente livro.
Se não entendeu, leia de novo!

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008


A maioria das pessoas vivem tendo "grandes idéias". Acham que podem mesmo viver a tão sonhada "vida mansa", a partir daquela idéia.

Mas infelizmente, 99% das idéias ficam apenas nas cabeças da pessoas. Falta coragem e direção para fazer a idéia acontecer de verdade.

Neste post tentarei ajudar a encontrarem a direção, já a coragem ...


Quando tenho uma grande idéia, a primeira coisa que faço é anotar o máximo de dados possíveis, dos que estão flutuando em minha mente, por mais bobos que possam parecer.

A propósito, sigo a filosofia da Toyota, dando valor a toda pequena idéia pois delas surgem as grandes idéias. Busco sempre a perfeição em tudo que faço, em cada detalhe, em cada pequena partícula do que estiver fazendo.

Portanto, não fico emprenhado em ter a "grande idéia", apenas faço um bom trabalho sobre minhas pequenas idéias.

Depois de ter tudo devidamente anotado, defino o objetivo dessa idéia. A partir daí, se for uma idéia para um novo negócio, começo a elaborar o meu Plano de Negócios, que por sinal sempre é muito simples. Nada mirabolante demais.

Já tendo em mãos o meu Plano de Negócios simplificado, geralmente eu vou para o ataque! Mas o certo seria fazer agora o Sistema Operacional do Negócio. Eu prefiro ir para o ataque porque por mais que você pense, só conseguirá desenvolver um S.O.N. eficiente quando o negócio estiver funcionando, pois só assim conseguirá enxergar as áreas que devem ser melhoradas pelo seu sistema.

O Sistema Operacional do Negócio (SON) é uma forma de padronizar todo o andamento de seu negócio. Vai desde como abrir o portão, até como apagar as luzes no fim do expediente. É tudo o que acontece, ou acontecerá em seu negócio, minimamente detalhado e descrito passo-a-passo em um "Manual de Operações".

Acho esses 3 primeiros passos fundamentais para fazer a grande idéia acontecer.


1- Anotar tudo o que envolver a idéia, por mais bobo que possa parecer;

2- Elaborar um Plano de Negócios simplificado, principalmente para analisar a viabilidade da idéia;

3- Elaborar um Manual de Operações.


Muitos param no segundo passo quando vêem que a idéia não é viável. Porém se acreditar mesmo no potencial da idéia, sugiro que siga para o terceiro passo assim mesmo, pois elaborando o Manual de Operações você poderá ter as pequenas idéias, aparando pequenas arestas que atravancavam seu negócio.


"São as inovações voltadas para o corte de despesas que geram lucros para financiar os investimentos em novos produtos e serviços." - Matthew May/Toyota